As solidões de Carlos Henrique Schroeder

schroederConfesso que cheguei meio acabrunhado na livraria. Arrastado por minha esposa, eu ia a um lançamento de dois livros de jovens autores brasileiros que eu desconhecia. Para ser mais exato: já tinha ouvido falar muito deles, cheguei a trombar com alguns de seus títulos, mas eu nunca tinha lido Santiago Nazarian ou Carlos Henrique Schroeder. E eles estavam ali, a duas fileiras de cadeira, falando de suas novidades, e eu só balançando o queixo, no maior estilo sabe-tudo…

Confesso também que fui capturado pela simplicidade e pelo jeito gente-boa de Schroeder, e dias depois, fui “conhecer” o sujeito por meio de seu As Fantasias Eletivas. Nele, uma voz atual e um timbre claro nos conta a história de Renê, sujeito pacato, com passado tumultuado, que trabalha como recepcionista de hotel à noite em plena baixa temporada. Estamos em Balneário Camboriú, que no verão é a Babilônia, e fora dele, o Saara.

Acompanhamos Renê e o hall vazio, o silêncio da madrugada, as ruas desertas, as habitações ermas, a excêntrica fauna noturna, tudo isso e mais ajudam a compor uma atmosfera de absoluta solidão. Mais que solidão, abandono.

Se o romance só nos apresentasse o cotidiano de Renê, teríamos elementos de sobra para permanecer com o nariz colado naquelas páginas. Mas Schroeder – que já foi um Renê na vida – nos apresenta Copi, um travesti divertidíssimo que rouba a cena e que nos tira de nós mesmos. Fadado a mexer com os quadris e a capturar cenas com sua câmera, Copi captura pessoas e coisas que se cercam de solidão. Numa pasta surrada, coleciona os flagrantes da vida e destila pequenos textos que transbordam lirismo e inteligência.

É o que Copi chamou de A Solidão das Coisas, e aí a gente se depara com preciosidades que me fizeram lembrar de Borges nos seus delírios eruditos, em mundos inventados, nas obras e autores que sonhou… Ponteiros de relógio são solitários, marcadores de página são solitários, corredores de hotel são solitários, placas, sombras e notas de rodapé são solitários… Passamos por eles todos os dias, esbarramos em suas superfícies – como as dos rejuntes do piso – e nada. Nem percebemos suas condições singulares e, portanto, sozinhas.

Schroeder, Renê e eu ficamos só olhando o que Copi nos mostra. E é tanto que queremos mais Copi nas páginas que virão. Seria exagero dizer que “agora, sim!, conheço Schroeder”. É pouco ainda. Quero ler mais, e tenho certeza de que não estou sozinho nesse desejo.

os maiores detetives do mundo!

10687074_809697539082601_8309464264861088602_nEu e Ana Paula Laux acabamos de lançar Os Maiores Detetives do Mundo, um livro que reúne 60 perfis dos mais importantes personagens da ficção policial da literatura, TV, cinema, quadrinhos e games.

Disponível exclusivamente em formato eletrônico, o livro é resultado de cinco anos de pesquisa e escrita. Mas não foi só muito trabalho. Foi também muita diversão ao encontrarmos com tantos tipos sensacionais: Sherlock Holmes, Poirot, Miss Marple, James Bond, Scooby-Doo, Casal 20, McGaiver, Wallander, Ed Mort, Delegado Espinosa, Nero Wolf, Miami Vice, CSI, Kay Scarpetta, House, e tantos outros…

Para escrever, buscamos uma linguagem leve, muitas curiosidades, e um estilo bem-humorado. Recorremos ao traço sensacional de Junião para a capa e o resultado você confere ao lado. Por falar nisso, reparou que nossos nomes não aparecem abaixo do título? Pois é, optamos por um pseudônimo, mas essa história eu conto depois…

Ficou curioso sobre o livro? Não fique mais!

Para adquirir seu exemplar, clique aqui.

Para saber mais de Os Maiores Detetives do Mundo, acesse aqui.

E para ter uma amostra grátis do livro, vá por aqui.

death jazz!

Começa assim: um japonês gorducho, vestido de preto, com chapéu de aba larga e com pinta de gigolô grita por um megafone. Na verdade, anuncia o título da música que está por vir. Um segundo japonês – este careca! -, vestido com uma camisa coloridíssima, dança como uma minhoca ao mesmo tempo em que toca o seu saxofone. Ele puxa a fila, pois um terceiro japonês com óculos berrantes, cabelos encaracolados (!) e um trompete colado nos lábios, berra notas altíssimas. A luz inunda o palco e já são seis japoneses, uma brigada formada ainda por baterista, tecladista e baixista.

O conjunto da obra é bem esquisito: eles dançam freneticamente, se espalham por todos os cantos e o som atravessa as paredes. Uma sonzeira pra falar a verdade. Parece pop, parece R&B, parece qualquer coisa dançante e irresistível, mas é jazz. Death Jazz!, corrige o chefe da banda, aquele que mais parece um gigolô, e que só se ocupa de desfilar, supervisionar a performance alheia, puxar palmas da plateia e dar palavras de ordem pelo megafone.

Esquisito é pouco. Imagine uma banda japonesa de jazz que põe todo o mundo pra dançar! Até o nome é estranho: Soil & “Pimp” Sessions. Chega de palavras. Arraste os móveis na sala e ouça (em volume alto, por favor).

qual é o seu signo, detetive?

A literatura policial é dessas artes que permitem muitas extrapolações. Volta e meia, estudiosos propõem classificações por ciclos históricos, pela nacionalidade dos autores e até por modalidades de crimes. Rótulos são criados (noir, hardboiled…), períodos são determinados (era de ouro, etc…) e um cânone vai se formando. Mas poderíamos ir muito além. Quem sabe elaborar listas de detetives fumantes, de mulheres que investigam, de serial-killers com traumas de infância, de mortes esquisitas e de vítimas excêntricas?
Como a literatura policial é dessas artes que permitem extrapolações, vou propor uma nova classificação, a zodiacal.

(leia a íntegra de Sob o Signo do Crime que publiquei no Almanaque da Literatura Policial)

um mapa nacional da mídia digital

Mapeamento da Mídia Digital no Brasil imagesgstsAcaba de cair na rede um estudo amplo e aprofundado sobre os meios digitais no país. “Mapeamento da Mídia Digital no Brasil” é uma iniciativa da Open Society, assinado por Pedro Mizukami, Jhessica Reia e Joana Varon. Tem oito capítulos espalhados em 173 páginas que tratam de consumo, relações com a sociedade, jornalismo, tecnologia, negócios e formas de financiamento, leis, regulações e políticas. Em linguagem clara, com textos analíticos e recorrendo a diversas fontes, o estudo merece leitura atenta e muita discussão. Tem mais: está bem atualizado, já que a ele foram adicionadas informações sobre o Marco Civil da Internet, aprovado e sancionado em abril passado.

Acesse aqui. (em PDF, em português e com arquivo de 7,6 Mega)

gente estranha, nomes esquisitos

Esta semana, passei a colaborar para o site Almanaque da Literatura Policial.

No debut, fiz uma lista de nomes estranhíssimos do gênero… Leia um trechinho:

A literatura policial é um universo frequentado por quem não é muito bom da cabeça. Tem os assassinos em série, os obcecados por pistas, os acumuladores de casos insolúveis. Encontramos também os que ficam paranóicos com a pilha de corpos, os que desenvolvem explicações conspiratórias e aqueles que sofrem com a abstinência por não ter nenhum mistério para resolver. O mundo dos crimes é paradoxal: tem gente que não bate bem, mas para sobreviver nele é preciso ter raciocínio lógico, inteligência e outras habilidades mentais. Mas nessas páginas não basta ser um sujeito estranho. Veja como ter um nome esquisito também ajuda…

Ficou curioso? Leia a íntegra aqui.

lá vem bellini!

Não, não. Não é o capitão da seleção que avança pela lateral com o coração na boca e a bola na ponta da chuteira…

É o detetive Remo Bellini, criatura de Tony Bellotto numa série de livros policiais com a cara, a fauna e a paisagem paulistana. Distante das prateleiras desde 2005, o personagem prepara o seu retorno, conforme conta Ana Laux na entrevista exclusiva que fez com o escritor. Aqui, no Almanaque da Literatura Policial.

feira de arte no campeche

Não sei se todos sabem, mas me arrisco um pouco escrevendo peças para o teatro.
Neste ano, o Círculo Artístico Teodora está montando meu texto mais recente – Shakespiradas – um delírio cômico em homenagem aos 450 anos de William Shakespeare.
Como forma de captação de recursos para o espetáculo, o Círculo está promovendo no Campeche uma Feira de Amostras no próximo sábado, dia 26, com música, exposição de arte e de fotos, exibição de curtas catarinenses, e outras atrações. A feira começa às 15 horas e se estende ao longo do dia.

feira no CAT

para quem gosta de sangue e mistério…

Se você não consegue ir pra cama antes de devorar as últimas páginas do livro e descobrir a identidade do assassino… se você se amarra em séries sobre investigação… se você é íntimo de Sam Spade, Poirot, Maigret, Sherlock Holmes, Kay Scarpeta  e tantos outros… se você tem espírito de detetive e adora literatura policial… não pode deixar de conhecer, navegar e voltar sempre preciso a esses endereços:

Screenshot 2014-06-15 08.45.35

Screenshot 2014-06-15 08.45.46

Screenshot 2014-06-15 08.46.05

urano selecionado para o isnard

A Fundação Franklin Cascaes anunciou os espetáculos selecionados para a 20ª edição do Festival Isnard Azevedo, que acontece em Florianópolis de 5 a 12 de outubro. A comissão analisou 199 propostas e destacou 18 espetáculos, entre eles o nosso Urano Quer Mudar. Ficamos muito felizes! Vejam a lista completa:

Urano quer Mudar – Círculo Artístico Teodora – Florianópolis/SC

As Criadas – Esfera Produções Artísticas – Florianópolis/SC

A Garota da Capa – Andréa Padilha – Florianópolis/SC

Nijinski, para dentro do coração de deus – Florianópolis/SC

5 tempos para a morte – Usina do Trabalho do Ator – Porto Alegre/RS

Amor por Anexins – Grupo de Teatro Guará – Goiânia/GO

No Pirex – Grupo de Teatro Armatrux – Belo Horizonte/MG

Outro Lado – Quatroloscinco Teatro do Comum – Belo Horizonte/MG

Deus da Fortuna – Coletivo de Teatro Alfenin – João Pessoa/PB

Por que a gente não é assim ou porque a gente não é assado – Grupo Bagaceira de Teatro – Fortaleza/CE

Cartas do Paraíso – Boa Companhia – Campinas/SP

Quixote Cabloco – Cia da Tribo – São Paulo/SP

Cocô de Passarinho – Cia Noz de Teatro, Dança e Animação – São Paulo/SP

Expresso Caracol – Cia dos Pés – São José do Rio Preto/SP

A Farsa do Advogado Pathelin – Grupo Rosa dos Ventos – Presidente Prudente/SP

O Concerto da Lona Preta – Trupe Lona Preto – São Paulo/SP

A cozinheira, o bebê e a dona do restaurante – Companhia do Gesto – Rio de Janeiro/RJ

Holoclownsto – Troup Pas D’argent – Rio de Janeiro/RJ

urano na casa das máquinas

Screenshot 2013-05-11 01.37.02Hoje, amanhã e domingo – dias 12, 13 e 14  de julho – tem apresentações de Urano Quer Mudar no teatro da Casa das Máquinas na praça da Lagoa da Conceição. O espetáculo começa sempre às 20 horas, com entradas a R$ 30,00 e R$ 15,00 para idosos, estudantes e classe artística.

Urano Quer Mudar é uma produção do Círculo Artístico Teodora, e tem no elenco os emocionantes Margarida Baird e José Ronaldo Faleiro, sob direção de Brigida Miranda. As canções originais são de Ana Laux. O texto é meu, reescrito a partir da versão original de 2003. Na história, um casal de atores prepara a mudança de casa e, no meio dos pacotes e caixotes, encontra um texto que nunca chegaram a encenar. Passam a ler, e aí, ficção, memória e reinvenção de si mesmos tomam conta do palco.

Vá conhecer Urano. Vá ver o que Fenícia tem a dizer.

leve a sua mãe pra conhecer urano

Screenshot 2013-05-11 01.37.02O Círculo Artístico Teodora está com uma promoção para o dia das mães. Leve a sua para assistir o espetáculo Urano Quer Mudar, e ela será convidada da produção. Não pagará nada, nada neste final de semana: hoje, 11, e amanhã, 12 de maio.

Urano Quer Mudar está em cartaz no Círculo Artístico Teodora, que fica na servidão Morro Verde, 786, no Campeche. Sessões às 20 horas, com ingressos a R$ 30,00 e meia para idosos, estudantes e classe artística.

urano vai ao sesc

Não assistiu ao espetáculo Urano Quer Mudar? Pois é, não tem mais desculpas…

Se ainda não tinha visto porque as apresentações tinham ingressos limitados, alegre-se: agora, há mais lugares!

Se ainda não tinha conferido porque as sessões foram no Campeche e você mora longe, rejubile-se: agora, é no centro!

Se ainda não tinha assistido porque estava sem dinheiro, seus problemas acabaram: é de graça!

Então, vá ver!

Urano Quer Mudar terá apresentações hoje (sábado,13) e amanhã (domingo, 14) às 20 horas no Sesc-Prainha, bem no centro de Florianópolis. Os ingressos são gratuitos e devem ser retirados uma hora antes no local. No elenco, os ótimos Margarida Baird e José Ronaldo Faleiro, do Círculo Artístico Teodora; na direção, Brigida Miranda, com assistência de Fábio Yokomizo; canções de Ana Laux; direção de arte de Paulo Henrique Wolf; iluminação de Ivo Godois; produção executiva de Claudia Venturi; e texto deste blogueiro…

O enredo? Um casal de atores prepara a mudança de casa, e redescobre o texto de um espetáculo que nunca chegaram a montar. Envolvidos nas lembranças de mais de cinquenta anos de palcos, eles passam a viver a história de um amor improvável que se passa em um cemitério. Memória ou invenção? Vida ou morte? Mudança ou destino? Quem se atreve a responder antes do caminhão de frete chegar?

Se você já viu a peça e gostou, vá ver novamente, e indique aos amigos.Se não gostou, já sabe: indique aos inimigos…

urano fora da maratona

O espetáculo Urano Quer Mudar, montagem do Círculo Artístico Teodora, também está fora da 3ª Maratona Cultural de Florianópolis! A decisão do grupo segue a direção de outros artistas locais em protesto à censura do governo do Estado à peça Kassandra. Parte da classe teatral está em pé de guerra com a organização da Maratona e com o governador Raimundo Colombo, que teria vetado a realização do espetáculo numa famosa casa noturna…

(Se você não sabe do rolo, atualize-se aqui, aqui, aqui e aqui.)

Embora Urano esteja fora da Maratona, as sessões de sábado (23) e domingo (24) ESTÃO GARANTIDAS E VÃO ACONTECER!

Leia aqui a nota do Teodora sobre a desistência do evento:

O Círculo Artístico Teodora vem a público declarar com perplexidade e consternação que se retira da 3ª Maratona Cultural de Florianópolis em que estrearia o espetáculo “Urano quer mudar”, em repúdio: – à interferência do Governo do Estado ao espetáculo Kassandra; – às irregularidades denunciadas pela FECATE e pelo Fórum Setorial Permanente de Artes Cênicas de Florianópolis; – à cláusula contratual que reza: “não fazer manifestações que difundam preconceitos, difamação, calúnias contra qualquer pessoa física ou jurídica, assim como não fazer manifestações que atinjam a honra e/ou moral da contratante e apoiadores, especialmente durante a apresentação do espetáculo contratado.” Como integrantes ativos do Círculo Artístico Teodora, nós, Margarida Baird, José Ronaldo Faleira, Claudia Venturi e Maria Brígida de Miranda, cuja juventude foi passada sob o jugo da ditadura militar, recusamos, na maturidade, vivendo em um pretenso estado de direito, a aceitar censura à liberdade de expressão, que a referida cláusula põe em relevo. Como NÃO queremos que o público deixe de ver o produto de nosso trabalho, apresentaremos “Urano quer mudar” em nossa sala no Campeche, gratuitamente, sem o respaldo financeiro da 3ª Maratona Cultural de Florianópolis, como ensaio aberto. Atenciosamente, Círculo Artístico Teodora.

Repetindo: as sessões de Urano Quer Mudar acontecerão normalmente nos dias 23 e 24 de março. Para assegurar o seu ingresso gratuito, mande email com Nome e dia escolhido para uranoquermudar@gmail.com

Para chegar ao Teodora, siga o mapa abaixo: