qual é o seu signo, detetive?

A literatura policial é dessas artes que permitem muitas extrapolações. Volta e meia, estudiosos propõem classificações por ciclos históricos, pela nacionalidade dos autores e até por modalidades de crimes. Rótulos são criados (noir, hardboiled…), períodos são determinados (era de ouro, etc…) e um cânone vai se formando. Mas poderíamos ir muito além. Quem sabe elaborar listas de detetives fumantes, de mulheres que investigam, de serial-killers com traumas de infância, de mortes esquisitas e de vítimas excêntricas?
Como a literatura policial é dessas artes que permitem extrapolações, vou propor uma nova classificação, a zodiacal.

(leia a íntegra de Sob o Signo do Crime que publiquei no Almanaque da Literatura Policial)

um mapa nacional da mídia digital

Mapeamento da Mídia Digital no Brasil imagesgstsAcaba de cair na rede um estudo amplo e aprofundado sobre os meios digitais no país. “Mapeamento da Mídia Digital no Brasil” é uma iniciativa da Open Society, assinado por Pedro Mizukami, Jhessica Reia e Joana Varon. Tem oito capítulos espalhados em 173 páginas que tratam de consumo, relações com a sociedade, jornalismo, tecnologia, negócios e formas de financiamento, leis, regulações e políticas. Em linguagem clara, com textos analíticos e recorrendo a diversas fontes, o estudo merece leitura atenta e muita discussão. Tem mais: está bem atualizado, já que a ele foram adicionadas informações sobre o Marco Civil da Internet, aprovado e sancionado em abril passado.

Acesse aqui. (em PDF, em português e com arquivo de 7,6 Mega)

gente estranha, nomes esquisitos

Esta semana, passei a colaborar para o site Almanaque da Literatura Policial.

No debut, fiz uma lista de nomes estranhíssimos do gênero… Leia um trechinho:

A literatura policial é um universo frequentado por quem não é muito bom da cabeça. Tem os assassinos em série, os obcecados por pistas, os acumuladores de casos insolúveis. Encontramos também os que ficam paranóicos com a pilha de corpos, os que desenvolvem explicações conspiratórias e aqueles que sofrem com a abstinência por não ter nenhum mistério para resolver. O mundo dos crimes é paradoxal: tem gente que não bate bem, mas para sobreviver nele é preciso ter raciocínio lógico, inteligência e outras habilidades mentais. Mas nessas páginas não basta ser um sujeito estranho. Veja como ter um nome esquisito também ajuda…

Ficou curioso? Leia a íntegra aqui.

lá vem bellini!

Não, não. Não é o capitão da seleção que avança pela lateral com o coração na boca e a bola na ponta da chuteira…

É o detetive Remo Bellini, criatura de Tony Bellotto numa série de livros policiais com a cara, a fauna e a paisagem paulistana. Distante das prateleiras desde 2005, o personagem prepara o seu retorno, conforme conta Ana Laux na entrevista exclusiva que fez com o escritor. Aqui, no Almanaque da Literatura Policial.

feira de arte no campeche

Não sei se todos sabem, mas me arrisco um pouco escrevendo peças para o teatro.
Neste ano, o Círculo Artístico Teodora está montando meu texto mais recente – Shakespiradas – um delírio cômico em homenagem aos 450 anos de William Shakespeare.
Como forma de captação de recursos para o espetáculo, o Círculo está promovendo no Campeche uma Feira de Amostras no próximo sábado, dia 26, com música, exposição de arte e de fotos, exibição de curtas catarinenses, e outras atrações. A feira começa às 15 horas e se estende ao longo do dia.

feira no CAT

para quem gosta de sangue e mistério…

Se você não consegue ir pra cama antes de devorar as últimas páginas do livro e descobrir a identidade do assassino… se você se amarra em séries sobre investigação… se você é íntimo de Sam Spade, Poirot, Maigret, Sherlock Holmes, Kay Scarpeta  e tantos outros… se você tem espírito de detetive e adora literatura policial… não pode deixar de conhecer, navegar e voltar sempre preciso a esses endereços:

Screenshot 2014-06-15 08.45.35

Screenshot 2014-06-15 08.45.46

Screenshot 2014-06-15 08.46.05

urano selecionado para o isnard

A Fundação Franklin Cascaes anunciou os espetáculos selecionados para a 20ª edição do Festival Isnard Azevedo, que acontece em Florianópolis de 5 a 12 de outubro. A comissão analisou 199 propostas e destacou 18 espetáculos, entre eles o nosso Urano Quer Mudar. Ficamos muito felizes! Vejam a lista completa:

Urano quer Mudar – Círculo Artístico Teodora – Florianópolis/SC

As Criadas – Esfera Produções Artísticas – Florianópolis/SC

A Garota da Capa – Andréa Padilha – Florianópolis/SC

Nijinski, para dentro do coração de deus – Florianópolis/SC

5 tempos para a morte – Usina do Trabalho do Ator – Porto Alegre/RS

Amor por Anexins – Grupo de Teatro Guará – Goiânia/GO

No Pirex – Grupo de Teatro Armatrux – Belo Horizonte/MG

Outro Lado – Quatroloscinco Teatro do Comum – Belo Horizonte/MG

Deus da Fortuna – Coletivo de Teatro Alfenin – João Pessoa/PB

Por que a gente não é assim ou porque a gente não é assado – Grupo Bagaceira de Teatro – Fortaleza/CE

Cartas do Paraíso – Boa Companhia – Campinas/SP

Quixote Cabloco – Cia da Tribo – São Paulo/SP

Cocô de Passarinho – Cia Noz de Teatro, Dança e Animação – São Paulo/SP

Expresso Caracol – Cia dos Pés – São José do Rio Preto/SP

A Farsa do Advogado Pathelin – Grupo Rosa dos Ventos – Presidente Prudente/SP

O Concerto da Lona Preta – Trupe Lona Preto – São Paulo/SP

A cozinheira, o bebê e a dona do restaurante – Companhia do Gesto – Rio de Janeiro/RJ

Holoclownsto – Troup Pas D’argent – Rio de Janeiro/RJ

urano na casa das máquinas

Screenshot 2013-05-11 01.37.02Hoje, amanhã e domingo – dias 12, 13 e 14  de julho – tem apresentações de Urano Quer Mudar no teatro da Casa das Máquinas na praça da Lagoa da Conceição. O espetáculo começa sempre às 20 horas, com entradas a R$ 30,00 e R$ 15,00 para idosos, estudantes e classe artística.

Urano Quer Mudar é uma produção do Círculo Artístico Teodora, e tem no elenco os emocionantes Margarida Baird e José Ronaldo Faleiro, sob direção de Brigida Miranda. As canções originais são de Ana Laux. O texto é meu, reescrito a partir da versão original de 2003. Na história, um casal de atores prepara a mudança de casa e, no meio dos pacotes e caixotes, encontra um texto que nunca chegaram a encenar. Passam a ler, e aí, ficção, memória e reinvenção de si mesmos tomam conta do palco.

Vá conhecer Urano. Vá ver o que Fenícia tem a dizer.

leve a sua mãe pra conhecer urano

Screenshot 2013-05-11 01.37.02O Círculo Artístico Teodora está com uma promoção para o dia das mães. Leve a sua para assistir o espetáculo Urano Quer Mudar, e ela será convidada da produção. Não pagará nada, nada neste final de semana: hoje, 11, e amanhã, 12 de maio.

Urano Quer Mudar está em cartaz no Círculo Artístico Teodora, que fica na servidão Morro Verde, 786, no Campeche. Sessões às 20 horas, com ingressos a R$ 30,00 e meia para idosos, estudantes e classe artística.

urano quer mudar: dois momentos

Blumenau, Festival de Teatro Universitário, 2003.
Leitura dramática de “Urano Quer Mudar”, pelos queridos Margarida Baird e José Ronaldo Faleiro.

urano quer mudar 2003 2Florianópolis, Sesc da Prainha, 2013.
Debate sobre o espetáculo, com esses atores inspiradores…

urano quer mudar debate 2013

urano vai ao sesc

Não assistiu ao espetáculo Urano Quer Mudar? Pois é, não tem mais desculpas…

Se ainda não tinha visto porque as apresentações tinham ingressos limitados, alegre-se: agora, há mais lugares!

Se ainda não tinha conferido porque as sessões foram no Campeche e você mora longe, rejubile-se: agora, é no centro!

Se ainda não tinha assistido porque estava sem dinheiro, seus problemas acabaram: é de graça!

Então, vá ver!

Urano Quer Mudar terá apresentações hoje (sábado,13) e amanhã (domingo, 14) às 20 horas no Sesc-Prainha, bem no centro de Florianópolis. Os ingressos são gratuitos e devem ser retirados uma hora antes no local. No elenco, os ótimos Margarida Baird e José Ronaldo Faleiro, do Círculo Artístico Teodora; na direção, Brigida Miranda, com assistência de Fábio Yokomizo; canções de Ana Laux; direção de arte de Paulo Henrique Wolf; iluminação de Ivo Godois; produção executiva de Claudia Venturi; e texto deste blogueiro…

O enredo? Um casal de atores prepara a mudança de casa, e redescobre o texto de um espetáculo que nunca chegaram a montar. Envolvidos nas lembranças de mais de cinquenta anos de palcos, eles passam a viver a história de um amor improvável que se passa em um cemitério. Memória ou invenção? Vida ou morte? Mudança ou destino? Quem se atreve a responder antes do caminhão de frete chegar?

Se você já viu a peça e gostou, vá ver novamente, e indique aos amigos.Se não gostou, já sabe: indique aos inimigos…

urano fora da maratona

O espetáculo Urano Quer Mudar, montagem do Círculo Artístico Teodora, também está fora da 3ª Maratona Cultural de Florianópolis! A decisão do grupo segue a direção de outros artistas locais em protesto à censura do governo do Estado à peça Kassandra. Parte da classe teatral está em pé de guerra com a organização da Maratona e com o governador Raimundo Colombo, que teria vetado a realização do espetáculo numa famosa casa noturna…

(Se você não sabe do rolo, atualize-se aqui, aqui, aqui e aqui.)

Embora Urano esteja fora da Maratona, as sessões de sábado (23) e domingo (24) ESTÃO GARANTIDAS E VÃO ACONTECER!

Leia aqui a nota do Teodora sobre a desistência do evento:

O Círculo Artístico Teodora vem a público declarar com perplexidade e consternação que se retira da 3ª Maratona Cultural de Florianópolis em que estrearia o espetáculo “Urano quer mudar”, em repúdio: – à interferência do Governo do Estado ao espetáculo Kassandra; – às irregularidades denunciadas pela FECATE e pelo Fórum Setorial Permanente de Artes Cênicas de Florianópolis; – à cláusula contratual que reza: “não fazer manifestações que difundam preconceitos, difamação, calúnias contra qualquer pessoa física ou jurídica, assim como não fazer manifestações que atinjam a honra e/ou moral da contratante e apoiadores, especialmente durante a apresentação do espetáculo contratado.” Como integrantes ativos do Círculo Artístico Teodora, nós, Margarida Baird, José Ronaldo Faleira, Claudia Venturi e Maria Brígida de Miranda, cuja juventude foi passada sob o jugo da ditadura militar, recusamos, na maturidade, vivendo em um pretenso estado de direito, a aceitar censura à liberdade de expressão, que a referida cláusula põe em relevo. Como NÃO queremos que o público deixe de ver o produto de nosso trabalho, apresentaremos “Urano quer mudar” em nossa sala no Campeche, gratuitamente, sem o respaldo financeiro da 3ª Maratona Cultural de Florianópolis, como ensaio aberto. Atenciosamente, Círculo Artístico Teodora.

Repetindo: as sessões de Urano Quer Mudar acontecerão normalmente nos dias 23 e 24 de março. Para assegurar o seu ingresso gratuito, mande email com Nome e dia escolhido para uranoquermudar@gmail.com

Para chegar ao Teodora, siga o mapa abaixo:

urano vai voltar

486750_405992939495556_178769207_n

Margarida e Faleiro, em registro de Paulo Wolf

Há dez anos, eu pesava menos, tinha mais cabelos e nem pai era. Entre a política sindical e o jornalismo, estava envolvido também com teatro. Atuava com um grupo, a Persona, e me arriscava a escrever. Numa dessas aventuras, fiz Urano Quer Mudar, peça para dois atores, que teve uma afetuosa leitura dramática no Festival de Teatro Universitário de Blumenau, em julho de 2003. Margarida Baird e José Ronaldo Faleiro me deram esse presente, e um ano depois, Pepe Sedrez dirigiu uma única apresentação do texto com um jovem elenco.

O mundo girou uma porção de vezes, e dez anos depois, Urano volta pra valer, com direção de Brígida Miranda e meu querido casal de amigos no palco. Eles nunca tinham contracenado, daí que fui convencido a me desaposentar…

As canções são de Ana Laux, a produção executiva é de Claudia Venturi e a direção de arte de Paulo WolfFábio Yokomizo está na assistência de direção e a iluminação é de Ivo Godois. Pedro Loch assina a direção musical, e a cenografia está a cargo de Brígida Miranda.

A peça está em fase de montagem, com ensaios diários no Círculo Artístico Teodora, realizador do espetáculo. A estreia já tem data: 23 e 24 de março, durante a 3ª Maratona Cultural de Florianópolis.

O enredo? Margarida e Faleiro estão de mudança e, em meio aos preparativos, redescobrem um texto que não encenaram. Na leitura improvisada daquelas páginas, vasculham o passado, e se questionam sobre a vida, a morte, a memória e a arte…

520 páginas e uma década de quadrinhos

Não são muitos os títulos nas livrarias brasileiras sobre quadrinhos. Me refiro a livros, já que – cada vez mais e ainda bem! – as livrarias têm destinado algum espaço para as HQs nos últimos anos. De uns tempos pra cá, publicações em capa dura, em formatos diversos, para distintos bolsos têm cavado espaço nas estantes, mostrando que quadrinhos são produtos rentáveis para várias faixas de público… mas eu dizia que o mercado editorial nacional tem poucos livros sobre quadrinhos… Se você acompanha a área, deve se lembrar de Alvaro de Moya, Moacy Cirne, Goida ou Gonçalo Jr, cujos trabalhos ajudam a compreender a história das HQs. São referenciais indispensáveis, mas que voltam as cabeças ora para outras geografias, ora para décadas remotas…

E se você quer algo com maior frescor, calma, seus problemas acabaram! A Devir lançou neste ano “Revolução do Gibi”, livro que promete (e cumpre) escanear a primeira década deste século, período que ajudou a definir uma nova cara para o mercado de quadrinhos no país. Quem assina o livro é o jornalista Paulo Ramos, titular do Blog dos Quadrinhos e um dos principais nomes na cobertura especializada.

O livro é, na verdade, uma coletânea de textos e posts já publicados que, juntos, compõem um completo e complexo mosaico do que aconteceu de mais importante na área por aqui. Por si só, a compilação já teria valor na medida em que recupera fatos e permite uma visão linearmente histórica. Mas Paulo Ramos “atualiza” os posts com comentários, quase sempre complementando informações ou desfazendo mal entendidos.

Dividido em vinte seções, “Revolução do Gibi” organiza os conteúdos em temas como as produções na internet, o uso das HQs na escola, as adaptações literárias, a febre das graphic novels, o circuito independente, os mangás, as tirinhas, as polêmicas, além de episódios que realçam velhos mestres (Mauricio de Sousa, Laerte, Angeli, Glauco…) e talentos mais atuais (Fábio Moon, Gabriel Bá, Rafael Coutinho, Grampá, João Montanaro…). Tem de tudo, de tudo mesmo. Se você ficou fora do ar nos últimos dez anos, taí uma ótima chance de zerar a fatura.

Bem escrito e muito informativo, o livro só tem dois defeitinhos na minha opinião. O primeiro é o título, que é muito alegórico e não faz jus ao que ali vai se encontrar. O segundo está nas margens do livro, muitíssimo estreitas, o que dificulta a leitura da extrema direita nas páginas pares, muito coladas à costura, e oferece um bloco muito largo de texto, fácil de a gente cair de uma linha para outra… É muito possível que os editores da Devir tenham optado por margens tão estreitas para um maior aproveitamento da espessura da página, evitando que o livro ficasse muito grosso. Vã ilusão! Mesmo assim, a “Revolução do Gibi” chega aos leitores com 520 páginas. É um tijolaço, mas que se devora fácil-fácil…