web para todos os olhos

Talvez você até já tenha visto, mas vale a pena ver de novo. Ou até mesmo ouvir.

É um vídeo brasileiro sobre acessibilidade na internet. Isto é, sobre adequações e preocupações com os internautas que não enxergam ou têm outras . Está no Google Vídeos e você encontra aqui.

Ah! Você não ouve? Não se preocupe: o vídeo tem legendas. Acessibilidade! Acessibilidade!

Produzido pelo Acesso Digital

marcia pergunta; eu respondo

Marcia Benetti jogou a bola no meu colo. Ela dá continuidade a uma corrente que pergunta: o que você está lendo?

Eu respondo.

Profissionalmente, estou terminando Lawrence Kohlberg: ética e educação moral, de Angela Biaggio. No curto volume, a especialista dá uma visão geral deste que ainda é um dos mais influentes autores na área da Psicologia do Desenvolvimento Moral. Não existe nenhum livro de Kohlberg traduzido no Brasil, e a introdução de Biaggio – que estudou o autor por trinta anos – me parece um excelente pontapé inicial.

biaggio.jpg

Para esfriar a cuca, estou lendo Eu gosto de uma coisa errada, de Pedro Doria. No livro, ele trata da nova fauna e das práticas sexuais após a internet. Tem de tudo: pornógrafos, casais suingueiros, Bruna Surfistinha, gente normal, gente esquisita. Texto gostoso e tranqüilo. Para ler na frente da sogra e chocar pelo título. O miolo não faz nem cosquinha…

doria.jpg

observatórios ignoram caso RCTV

Vasculhei alguns dos observatórios de meios da América Latina e percebi que quase todos estão ignorando solenemente o caso da RCTV na Venezuela.

Passei pelo Observatório Fucatel do Chile, e nada. Pelo Observatorio Ciudadano de la Comunicación, do Equador, e nada; fui até o Foro de Periodismo Argentino e o Observatório da Union de los Trabajadores de Prensa de Buenos Aires (UTPBA) e nada também.

Na Colômbia, há sinais: o blog do Observatorio Independiente de los Medios trouxe em seu blog um breve post com vídeo para o YouTube. No Medios de La Paz, não há nada, embora figure logo no início da página a chamada para o Seminário Internacional Libertad de Prensa: herramientas y estratégias, que acontece amanhã e quinta, dias 30 e 31 de maio.

Victor Solano, em seu blog Comunicación?, traz um post com links para os últimos minutos da RCTV

No Brasil, o Observatório da Imprensa veio à carga contra a ação de fechamento do canal por Hugo Chávez.

Perturbador, foi perceber que no Observatorio Global de los Medios, capítulo Venezuela, nada havia sobre o assunto. Ao invés disso, hoje pela manhã, a entidade distribuía links para um longo estudo sobre o comportamento da imprensa local nas eleições de 2006.

Não entendi, confesso…

an.jpg

o caso da rctv

chavezzz.jpg

Nunca fui à Venezuela.

Nunca votei em Chávez.

Nunca assisti à RCTV.

Mas sou contra o seu fechamento.

Acho que as outorgas e concessões de rádio e TV não são e não podem ser eternas. Mas daí a fechar o canal porque ele está criticando o presidente é muita distância…

Coisa de ditadorzinho de quinta.

Os Repórteres Sem Fronteiras chamaram uma mobilização internacional contra a truculência de Chávez. Veja.

Enquanto aqui, a Fenaj publica um texto de um professor da UFSC dando razões ao venezuelano.

que orgulho!

A Polícia brasileira não se cansa de dar exemplos de competência, preparo e honestidade.

Outro dia, mostraram que policiais de rua no Rio e São Paulo eram os responsáveis por furtos de rádios de automóveis. Eles abriam os carros, pegavam os aparelhos e ainda faziam cara de sonsos quando os proprietários faziam a queixa.

Nesta semana, foi a brilhante operação em Rondonópolis que vitimou um garoto que participava de uma mutirão solidário. Não sei quem teve a excepcional idéia de apresentar às centenas de populares uma simulação de combate a seqüestro, com tropa de choque invadindo ônibus e fuzilando o que seriam raptor e vítimas. O ponto alto foi ter escolhido munição de verdade ao invés das sem-graça balas de festim.

Uma operação tão inacreditável quanto àquela de 12 de junho de 2000, no Rio, quando os PMs cariocas ficaram à mercê de Sandro do Nascimento, o seqüestrador do ônibus 174. A polícia atirou e matou a refém, e depois asfixiou o bandido.

Que orgulho!

Renoi e seu primeiro encontro

Esta semana sigo para Vitória (ES), onde devo me encontrar com pesquisadores de jornalismo de todo o país, principalmente aqueles que se ocupam de crítica de mídia. É que a na bela capital capixaba acontece o 1º Encontro Nacional de Observatórios de Imprensa. O evento é promovido pela Renoi, a Rede Nacional que criamos em 2005 reunindo as principais iniciativas brasileiras nas universidades e no terceiro setor sobre crítica de mídia.

Estarão lá representantes da ANDI, do Observatório da Imprensa, do Canal da Imprensa, do Mídia e Política, do SOS Imprensa e de outros nós da rede. A organização e coordenação local do evento está a cargo de Victor Gentilli. Como coordeno a rede, sou um dos convidados e participo de duas mesas: uma sobre as experiências mais consolidadas de observatórios de imprensa no país, no caso o nosso Monitor de Mídia; e outra sobre os desafios metodológicos que se impõem sobre os leitores da mídia.

Veja a programação:

DIA 31 de Maio (Quinta-Feira)

Solenidade de abertura
20h Auditório do CEFD (Centro de Educação Física e Desportos)

Conferência de abertura
Prof. Dr. Luiz Gonzaga Motta UnB – Mídia & Política – impasses e desafios da crítica de mídia na nova realidade brasileira

Dia 1 de Junho (Sexta-Feira)

8h às 10h – Atividades, oficinas, mini-cursos voltados para estudantes, bolsistas (aplicações e atividades-piIloto de metodologias)

10h30 às 12h30 Mesa 1 (Cemuni V sala 3) – As experiências dos grupos mais consolidados
Rogério Christofoletti (Monitor de Mídia); Allan Novaes (Canal da Imprensa), Ana Prado – Unama e Luiz Martins – UnB (SOS Imprensa)

14h30 às 16h30h  Mesa 2 (Cemuni V Sala 11) – Os grupos mais recentes: problemas e dificuldades
Marcos Santuário Feevale; (Mídia em Foco), Jussara Carvalho de Oliveira (Unilinhares),  Kelly Prudêncio (UPG); Wellington Pereira (UFPB) e Angela Loures (Unitau)

16h30 às 18h30 Mesa 3 (Cemuni V sala 11) – A imprensa diante da crítica de dimensão nacional
Luiz Egypto (Observatório da Imprensa); Guilherme Canela (Andi) e Thaïs de Mendonça (Midia & Política)

Dia 2 de junho (Sábado)

8h às 10h – atividades, oficinas, mini-cursos voltados para estudantes, bolsistas (aplicações e atividades-polito de metodologias)

10h30 às 12h30 Mesa 5 (Cemuni V sala 3) – Apresentações de trabalhos de IC, TCCs, Projetos Experimentais Apresentação de posters

14h30 às 16h30 Mesa 5 (Cemuni V sala 3) – Os novos desafios metodológicos para a crítica de mídia
Josenildo Luiz Guerra – UFS, Fábio Henrique Pereira – UnB; Rogério Christofoletti – Univali; Victor Gentilli – Ufes

14h30  (auditório pequeno) – Reunião plenária

web 3.0 no centro das atenções

semanticonference.gif

Pelo menos dois grandes eventos este ano enfocam os estudos e pesquisas acerca do que vem-se chamando de Web 3.0, ou internet semântica. Read and Write traz um artigo sobre a 2007 Semantic Technology Conference que aconteceu na semana passada em San Jose, California. A página oficial do evento pode ser vista aqui.

O PointBlog, por sua vez, anuncia evento semelhante mas em dezembro e em Paris. Trata-se da LeWeb3 2007, que acontece entre 11 e 12 de dezembro próximos. Na França, quem organiza o evento é Loic Le Meur.

lost (mais um pouquinho)

Pitacos…

Não, não fiquei com pena de Charlie na câmara da estação submersa.

Foi bonito. Mas não tive pena.

Fiquei com raiva do dentista que deu com a língua nos dentes. Tudo bem que ele disse a Rose que não era o Rambo. Mas daí a dar todo o serviço aos outros…

Sun continua ma-ra-vi-lho-sa.

Ben sangrando pelo nariz é tão bom quanto aberto numa mesa de cirurgia…