15 dias apavorantes

Eu sei, o leitor deste blog detesta queixas. Mas aqui não vai nenhuma reclamação, mas uma satisfação.

As duas últimas semanas foram absorvidas quase que totalmente pelos infindáveis compromissos que me soterraram. Vai aí um resumo dos últimos 15 dias. Do dia 20 de outubro pra cá…

… corrigi provas da seleção de novos alunos no Mestrado em Educação

… dei palestra de abertura na Semana de Comunicação no Ielusc, em Joinville

… preparei e apliquei prova na disciplina de Legislação e Ética em Jornalismo

… preparei e apliquei também a prova da disciplina de Introdução ao Jornalismo

… elaborei relatório de produtividade dos professores do mestrado para a coordenação do programa

… revisei os currículos Lattes do meu grupo de pesquisa na graduação

… corrigi as provas de Legislação e Ética em Jornalismo e de Introdução ao Jornalismo

… reinstalei a rede wi-fi em casa que estava em pandarecos

… troquei de carro, o que implica dizer: instalar alarme, transferir seguro, etc…

… dei aulas no mestrado em duas manhãs

… tive reuniões no Grupo de Pesquisa no Mestrado e no Colegiado do programa

… comecei a editar o livro sobre Cinema e Educação

… iniciei a divulgação de meu novo livro

… fiz revisão final de duas dissertações

… montei as bancas de qualificação de duas orientandas no mestrado

… levei meu filho ao pediatra

… dei aulas na graduação em duas noites

… resolvi burocracias em bancos

… recusei um trabalho legal

… acompanhei minha mulher em dois médicos

… escrevi um editorial para o Monitor de Mídia

… corrigi TCC de uma orientanda da graduação

… fiz loucuras com a patroa no sábado à noite

… revisei reportagem dos meninos do Monitor

… resolvi burocracias em cartório

… fiz entrevistas com candidatos ao mestrado

… terminei a prestação de contas de uma pesquisa para a Fapesc

Fala a verdade: eu mereço umas férias…

um cemitério de jornalistas na web

Alex Gamela apresenta um mapa com os jornalistas mortos em serviço em 2008.
A concentração dos casos dá uma visão dos locais mais perigosos para se trabalhar na área.

De acordo com os Repórteres Sem Fronteiras, até hoje – 3 de novembro – 34 jornalistas foram mortos neste ano, e 127 deles estão presos.

os anais vêm aí

O coordenador local do 2º Encontro de Professores de Jornalismo de Santa Catarina e 4º do Paraná, Samuel Lima, confirma que em breve estarão prontos os anais dos eventos. O CD ROM sairá conforme manda o figurino: com ISSN, ficha catalográfica, os textos das conferências e dos trabalhos apresentados, além de fotos e vídeos.

Para quem não esteve em Joinville, os eventos foram um sucesso, com participação recorde: 109 inscritos.

começou o congresso de tecnologias da educação

De hoje, 27, a sexta, 31, acontece na web o 1º Congresso de Tecnologias da Educação.
Segundo a comissão organizadora, são 1261 inscritos nos minicursos e 30 trabalhos – sendo 15 artigos e 15 relatos – apresentados.

Para acompanhar, vá direto: http://congresso-tec-educacao.blogspot.com

saem os premiados do adelmo genro filho

A Associação Brasileira dos Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor) divulga os vencedores da edição 2008 do Prêmio Adelmo Genro Filho:

INICIAÇÃO CIENTÍFICA: Gabriela Jardim Rocha (PUC-Minas), “Mediações sociais no jornalismo colaborativo” – orientadora: Geane Alzamora
Menção honrosa: Mariana de Almeida Costa (UFF), “Jornalistas e marginalidade social” – orientadora: Sylvia Moretzsohn

MESTRADO: Marcelo Ruschel Träsel (UFRGS), “A pluralização no webjornalismo participativo” – orientador: Alex Primo
Menção honrosa: Ana Paula Ferrari Lemos Barros (UnB), “Saúde, sociedade e imprensa” – orientadora: Dione Moura

DOUTORADO: Suzana Barbosa (UFBA), “Jornalismo digital em base de dados” – orientador: Marcos Palacios

PESQUISADOR SÊNIOR: Marcos Palacios (UFBA)

hoje, na semana da comunicação do ielusc

Os alunos dos cursos de Jornalismo e Publicidade e Propaganda do Ielusc dão o pontapé inicial a sua Semana da Comunicação, hoje à noite. Para abertura, chamaram-me para falar de “Redemocratização e Comunicação”. Sigo daqui a pouco para Joinville para o evento, que pode ser acompanhado por aqui.

a solução para a crise de wall street

# New York: Histeria na mídia internacional com a crise em Wall Street.


# Belém:
Fui conferir no Mercado Ver o Peso como a crise de confiabilidade no sistema financeiro norte-americano está afetando os negócios por lá. Vendedores de peixe, de frutas e de outras comodities me garantiram que o movimento continua normal, apesar da quebradeira lá fora.

Mesmo com a crise da Bolívia e o efeito dominó que derrubou as bolsas mais importantes do mundo, o vendedor Miguel está otimista. Para ele, a tendência é melhorar no mês seguinte, quando Belém virá o maior cenário religioso do país com o CÍrio de Nazaré. A crise em Wall Street não provoca temor no empresário. “Pode piorar um pouquinho em casa, aumentando o preço do arroz e do feijão. Mas não afeta as vendas aqui!”, garantiu.

Mais do que otimista, Miguel parece altamente confiante. Na Banca da Flora, onde vende essências de patchouili e de andiroba – entre outras mais -, ele apresenta um produto que pode ser a solução para o caos no exterior: seu viagra natural, à base de ervas e raízes da Amazônia.

Miguel dá a receita para a crise.