as últimas do pedro dória

Pedro Dória não pára quieto. O primeiro repórter-blogueiro do Brasil e responsável por projetos como o NoMínimo acaba de lançar As últimas, um agregador de blogs, sites e outras traquitanas online em português e voltado para quem quer se informar sobre o Brasil.

Correspondente internacional, ele se ressentia das dificuldades de acompanhar a vida aqui pela rede. Sempre deu muito trabalho e dependeu de disciplina, ele conta. Com isso, decidiu facilitar a vida e criar um agregador do tipo AllTop, como ele mesmo declara a inspiração.

Inicialmente, Dória disponibilizou três páginas: Política Brasileira, Política Internacional e Futebol. Vêm aí Mídia e Humor, e quem sabe algo mais.

Embora As últimas junte blogs verdadeiros com blogs que não são bem lá isso (mas colunas apenas vertidas ao online), a iniciativa é muito, muito bem vinda.

blogs, jornalismo e as férias

Sim, estou de férias. Por isso, os posts são preguiçosos e esparsos, quase telegráficos e bissextos…

(*) Quem confia nos blogs? Paul Bradshaw duvida da questão.

(*) Por que as pessoas lêem blogs ao invés de sites de notícias? André de Abreu responde.

(*) Blogs são um novo gênero jornalístico? Frédéric Filloux pensa (alto) sobre isso.

(*) Qual o futuro do jornalismo online? No Nieman Report, você encontra muitos artigos que tentam responder à questão.

(*) Nós, de Marcelo Camelo, não é lá essas coisas. Tem faixas bem bonitas, mas o conjunto é inconstante. Dá saudades de Los Hermanos.

(*) Blindness é lindo. Fernando Meirelles acerta a mão e nos incomoda com a parábola que Saramago urdiu em suas páginas.

(*) A troca é angustiante e bem realizado. Clint Eastwood é um ótimo diretor e um sensível compositor de trilhas. Deu um papel marcante para Angelina Jolie, e mostrou – mais uma vez – que o mal existe, está entre nós e nem sempre o enxergamos com a nitidez necessária.

monitor de mídia leva o 2º lugar no prêmio caixa-unochapecó

A reportagem “Qual o futuro da Praia Brava?”, publicada originalmente no Monitor de Mídia, ficou em 2º lugar na segunda edição do Prêmio Caixa – Unochapecó de Jornalismo Ambiental. A reportagem multimídia é assinada pelas acadêmicas Gabriela Azevedo Forlin, Marina Fiamoncini e Stephani Luana Loppnow, e tem infografias de Joel Minusculi. Venceu a reportagem “Consumo crescente de água mineral provoca contradições”, de Esther da Veiga e Marina Bento Veshagem, estudantes da Universidade Federal de Santa Catarina, e em terceiro lugar ficou “O desafio de preservar sem sucumbir”, do jornalista Wagner Gris, diplomado pela Unochapecó.

Os vencedores disputaram com trabalhos vindos dos três estados da região Sul, e receberam prêmios de R$ 1,5 mil a R$ 4,5 mil.

As reportagens foram julgadas pelos critérios de relevância e adequação das informações; adequação do conteúdo ao formato de webjornalismo; utilização dos recursos da web; propriedade e adequação das fontes de informação; capacidades interpretativa e argumentativa; linguagem jornalística e coesão ecoerência textual.

A iniciativa do prêmio brinda os dez anos do curso de Comunicação Social – Jornalismo da Unochapecó. A comissão que avaliou os trabalhos foi composta pelos jornalistas Sérgio Luiz Gadini (PR), Reges Shwaab (RS) e Elias Machado (SC). Todas as reportagens premiadas podem ser vistas aqui.

(Momento coruja: estou muito orgulhoso com a performance de meus meninos do Monitor!)

mas o que é mesmo o jornalismo?

A professora Ann Cooper, da Escola de Jornalismo de Columbia, escreve um interessante artigo na edição mais recente da Columbia Journalism Review (setembro-outubro de 2008). Para ela, pouco importa discutir o que é o jornalista na atualidade, mas sim o que é jornalismo.

Ela discute a emergência de novas formas de comunicação, a chegada de novos atores no processo da informação – como os blogueiros – e novas concepções sobre as competências que jornalistas devem ter. A partir do influente Jay Rosen – que propôs que se pensasse um modelo híbrido de produzir notícias online -, Ann Cooper chama a atenção para o fato de que a sugestão de Rosen muda o foco da questão. Não mais interessa saber quem é que faz a coisa, mas como é a coisa em si, o que a define e tal.

A autora sinaliza os próximos passos. Se vamos pensar um modelo híbrido de jornalismo, precisamos articular esforços entre os tradicionais e os recém-chegados:

Old media will have to let go of some attitudes and assumptions that are no longer relevant, and new media will need to recognize standards that can infuse credibility and trust into this new journalism. Working together will require everyone in the bigger tent to drop their animosities and check their egos. It’s not about us, after all. It’s about keeping watch on those in power, about ensuring an informed citizenry, about maintaining a democratic culture that is strengthened by vibrant reporting on vital institutions.

Claro. Esta luz no final do túnel não é inteiramente nova, mas é sempre bom repensar a questão e revisar os passos dados anteriormente.

o futuro dos jornais… mais uma vez

Especialmente para meus alunos de Introdução ao Jornalismo.

Rosenthal Calmon Alves, jornalista brasileiro que dirige o Knight Center for Journalism in the Americas, da Universidade do Texas, em Austin, deu uma entrevista ao Estadão sobre o futuro do jornalismo.
São quase 28 minutos de uma entrevista interessante, esclarecedora e instigante.
O áudio não está uma maravilha, mas vale ouvir.
A repórter é Marili Ribeiro e vocês podem ouvi-los aqui.

cotidiano volta a se atualizar

Maria José Baldessar, a Zeca, manda avisar que seu projeto Cotidiano – portal de notícias sobre a UFSC – está de volta e com força total.

“Projeto de extensão do Núcleo de Estudos e Produção Hipermídia Aplicados ao Jornalismo, o portal traz notícias da UFSC, da cidade e outros assuntos de interesse da comunidade universitária nos diversos suportes como texto e vídeo. Produzido pelos alunos do curso de Jornlaismo, sob a supervisào de dois professores,  grande diferencial do Portal são as experimentações em hipermídia, onde sào combinados numa mesma notícia, elementos de aúdio, texto, vídeo e fotos”.

As novidades neste segundo semestre letivo são uma parceria com o Jornal de Debates, de São Paulo, para a realização de uma série de reportagens sobre as eleições municipais, e maior interatividade no portal.

maratona sobre jornalismo e internet

Marcelo Träsel manda avisar:

Maratona de 24 horas na Famecos discute uma década de jornalismo na internet

Para discutir o jornalismo praticado em uma década de internet, a Faculdade de Comunicação Social (Famecos) da PUCRS realizará durante 24 horas ininterruptas o evento “10/24 – Notícia não tem hora”. As atividades ocorrerão das 18h desta quarta-feira (28/5) até as 18h de quinta-feira com um duplo objetivo: integrar a programação do + SET (série de eventos preparatórios para o 21º SET Universitário) e comemorar os 10 anos de funcionamento da Cyberfam, a pioneira das revistas eletrônicas desenvolvidas em um estágio de jornalismo online no Brasil.

Pela primeira vez no país, ocorrerá uma transmissão em alta definição (HD) via internet. Tudo que ocorrer nesta maratona poderá ser acompanhado no site http://cyberfam.pucrs.br. No site, haverá links para teleconferências, bate-papo online e apresentação de imagens captadas por câmeras instaladas na Famecos. Ainda ocorrerá transmissão de aulas do curso de Jornalismo por celular.

Para marcar os 10 anos da Cyberfam, serão entrevistados professores e alunos que já trabalharam na publicação. Um time de profissionais que atuam em Porto Alegre e em outras cidades do Brasil, dos Estados Unidos e da China foi convidado para a discussão sobre o impacto da internet no jornalismo. Os vários debates e entrevistas planejados podem ser acompanhados pelo site da Cyberfam ou por meio de televisões de plasma instaladas no saguão da Famecos (Av. Ipiranga, 6.681, prédio 7 – Porto Alegre).

jornalismo online: um observatório e um congresso

Desde o dia 5, isto é, há dois dias, está em funcionamento o Observatório de Ciberjornalismo, uma iniciativa que visa acompanhar o desenvolvimento do jornalismo online em Portugal e no mundo. Estão à frente da iniciativa os membros do Cetac.media, o Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação.

O mesmo pessoal organiza em 11 e 12 de dezembro, na Universidade do Porto, o primeiro Congresso Internacional de Ciberjornalismo, sob o tema geral “Jornalismo 3G“. Quem abre o evento é o Ramón Salaverría, da Universidade de Navarra, e que recentemente esteve no Brasil.

inovação no jornalismo: um evento

David Nordfors, pesquisador sênior da Universidade de Stanford, convida para a 5ª Conferência de Inovação no Jornalismo, que acontece de 21 a 23 de maio no campus de lá.

Um apanhado do programa é o seguinte:

 

  • ‘THE ROLE OF MEDIA IN SOCIETY’
  • INNOVATION TRENDS
  • INNOVATION, INTELLECTUAL FREEDOM, INTERNET AND ITS IMPLICATION ON GLOBAL MEDIA ORGANIZATIONS
  • HOW CAN THE NEWS INDUSTRY SUCCEED IN THE INNOVATION ECONOMY?
  • ATTENTION WORKERS IN THE INNOVATION ECONOMY
  • HOW DO WE INNOVATE?