Bio

Sou professor e pesquisador do Departamento de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Brasil.

Estudo ética jornalística, transparência, privacidade, crítica de mídia e crise no jornalismo.

Meu currículo Lattes está aqui e o ORCID, aqui

Como jornalista, atuei em jornais e revistas de São Paulo, Paraná e Santa Catarina nas editorias de Política, Economia, Polícia, Cultura, Geral, Transportes, Infraestrutura e Logística. Trabalhei ainda como assessor de imprensa.

De 2002 a 2004, fui vice-presidente do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina (SJSC).

De 2005 a 2009, coordenei a Rede Nacional de Observatórios de Imprensa (Renoi).

De 2009 a 2015, editei a revista Estudos em Jornalismo e Mídia.

De 2012 a 2014, fui coordenador do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo.

De 2016 a 2018, fui coordenador de pesquisa no Departamento de Jornalismo da UFSC.

Desde 2017, sou presidente da Comissão de Ética do Sindicato dos Jornalistas de Santa Catarina.

Sou ainda membro do Conselho de Ética da Agência Lupa.

Em 2009, junto com Francisco José Castilhos Karam, criei o Observatório da Ética Jornalística (objETHOS), meu local de pesquisa e extensão junto a uma incrível equipe.

Sou pesquisador de produtividade do CNPq  e consultor-parecerista do CNPq, Capes e Fapesc. Atualmente, pesquiso transparência no jornalismo.

Em 2010, recebi da Intercom o Prêmio Luiz Beltrão – Liderança Emergente.

Já escrevi e organizei 13 livros, publiquei quase 80 artigos científicos (detalhes aqui) e orientei as pesquisas de algumas dezenas de graduandos, mestrandos, doutorandos e pós-doutorandos.

A partir de março de 2020, vou coordenar o Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da UFSC.

Me encontre no Twitter, na Academia.edu, no SKOOB e no Medium.

***

ibsnEste site nasceu no UOL em 20 de maio de 2005 na forma do blog Monitorando. Dois anos depois, migrei para o WordPress. Ao longo do tempo, sofreu reformas cosméticas, mas o conteúdo permaneceu variado: jornalismo, mídia, novas tecnologias, jazz, cinema, quadrinhos, teatro, música, literatura policial…

O site resiste a crises financeiras, abalos sísmicos, transtornos de identidade e surtos de procrastinação.