Eu tô voltando

O Paulo César Pinheiro e o Maurício Tapajós encontraram as melhores palavras para mim neste momento. Fiquem com elas:

Pode ir armando o coreto e preparando aquele feijão preto
Eu tô voltando
Põe meia dúzia de Brahma pra gelar, muda a roupa de cama
Eu tô voltando
Leva o chinelo pra sala de jantar…
Que é lá mesmo que a mala eu vou largar
Quero te abraçar, pode se perfumar porque eu tô voltando
Dá uma geral, faz um bom defumador, enche a casa de flor
Que eu tô voltando
Pega uma praia, aproveita, tá calor, vai pegando uma cor
Que eu tô voltando
Faz um cabelo bonito pra eu notar que eu só quero mesmo é
Despentear
Quero te agarrar… pode se preparar porque eu tô voltando
Põe pra tocar na vitrola aquele som, estréia uma camisola
Eu tô voltando
Dá folga pra empregada, manda a criançada pra casa da avó
Que eu tô voltando
Diz que eu só volto amanhã se alguém chamar
Telefone não deixa nem tocar…
Quero lá. lá. lá. ia…
Porque eu tô voltando!

Anúncios

Quem escolhe o que você come?

Os restaurantes a quilo são uma maravilha brasileira. Oferecem variedade de sabores, ajudam a reduzir o desperdício das sobras e têm preço aceitável. É sempre mais barato comer por este sistema em comparação com o à la carte.

Você chega salivando no estabelecimento, dá uma lavadinha marota nas mãos com o álcool-gel e vai logo pegando o final da fila. A fome e a conversa te distraem e você nem percebe que tem alguém definindo o que vai parar no seu prato. Já pensou por que todo restaurante a quilo tem salada no começo e carnes e alimentos mais gordurosos no final? Percebeu o tamanho das vasilhas de vegetais e as dos demais pratos? Já se perguntou quem definiu aquela sequência de ofertas? E no que essa pessoa se baseou?

Pois é. Existe um SEO ali, meu chapa.

SEO é a sigla para Search Engine Optimization, expressão que significa um conjunto de características para melhor posicionar um site num buscador da internet. Como existem zilhões de endereços na web, alguns macetes ajudam o Google e seus concorrentes a varrer a rede e encontrar mais rapidamente uns sites em detrimento de outros. Pesquisas mostram que os usuários são impacientes e frequentemente se detém na primeira ou segunda página de resultados de uma busca. Daí que usar técnicas de SEO ajuda um site a ser mais visível, o que lhe dá uma vantagem competitiva.

Mas o que isso tem a ver com o meu restaurante a quilo?

Quando eu digo que tem um SEO em ação, me refiro a um conjunto de ações implementadas para orientar as ações dos clientes. Essas jogadas são tão bem feitas que a gente nem percebe e aí, consome do jeitinho que o dono do produto quer.

É por isso que as saladas são oferecidas primeiro e as carnes depois. Vegetais são produtos mais baratos, e os alimentos mais elaborados não são só mais caros, como dão mais trabalho no preparo, requerendo cozinheiros, assistentes etc. Assim, você enche seu prato com algo bem volumoso e deixa menos espaço para algo que é até mais saboroso, mas também mais dispendioso. Como você sucumbe à sedução das cores vívidas e cheiros apetitosos da gordura e outros venenos maravilhosos, você nunca deixa de colocar aquele bife mal passado no cantinho do prato. E como há só 2 centímetros quadrados de área disponível, você coloca dois pedaços, e monta um em cima do outro. É a lei da compensação! Você nem ia comer dois pedaços, mas estava tão irresistível aquilo tudo, e aí, aproveita…

Você acaba fazendo um prato mais pesado, paga mais e o dono do restaurante fica feliz da vida… No outro dia, você volta e a roda gira de novo sem o cliente perceber.

Há restaurantes que argumentam que seus menus são elaborados por nutricionistas que não só garantem a qualidade e a variedade nutricional, como o equilíbrio calórico. Há ainda quem diga que são os nutricionistas que decidiram que os vegetais devem vir primeiro, pois são mais saudáveis e ajudam a preparar o estômago para a digestão… a-hãm… pode até ser, mas já tentou começar a se servir invertendo essa ordem? Talvez você não consiga pois há um sistema muito eficiente para moldar o seu comportamento: a fila. Tente furar ou tumultuar a fila e os demais clientes vão torcer o nariz e talvez até roubem aquela linguicinha do seu prato. Para não ferir suscetibilidades, você evita esses transtornos sociais e se adequa ao formato imposto. Com uma diferença: acha que tem liberdade para escolher o que quiser para comer.

Na-na-ni-na-não. Você só pode comer o que o restaurante oferecer, na sequência que ele determinar e mais ou menos na mesma quantidade, afinal, o tamanho do prato também é um elemento definidor naquele sistema. Essas ações funcionam de forma integrada e ajudam a determinar comportamentos, a orientar atitudes.

Claro que eu não estou dizendo para você evitar restaurantes a quilo. Eu adoro eles também. Mas eles me fazem pensar que não sou apenas eu quem escolhe o que vai no MEU prato…

Em Sevilha

“Só em Sevilha, o corpo está com todos os sentidos em riste”, escreveu um apaixonado João Cabral de Melo Neto, caminhante de todas as suas vielas…

Em Sevilha, nasceram os pintores Velázquez e Murillo, os poetas Antonio e Manuel Machado, o também poeta Gustavo Adolfo Bécquer e o não menos poeta Vicente Aleixandre, que ganhou o Nobel de Literatura em 1977…

Sevilha viu nascer o dramaturgo Lope de Rueda, um dos primeiros atores profissionais da Espanha, lá no século 16, e viu também nascer a atriz Paz Vega há menos tempo…

São moradores perpétuos da cidade a Carmen, o Don Juan Tenório e o barbeiro Fígaro, todos cantados em ópera…

Américo Vespúcio, que viria a emprestar seu nome para o Novo Mundo, também passou os últimos dias na cidade, quando já tinha algum dinheiro e fama. Fechou seus olhos pela última vez no final de fevereiro de 1512…

Conta uma lenda que os tartéssios teriam sido os primeiros por aqui. Mas há quem diga que foram os fenícios, já que os tartéssios nem foram um povo propriamente dito. Dizem ainda que a cidade foi fundada por Hércules. Isso há 3300 anos…

Romanos, visigodos, vikings e árabes já ocuparam a cidade, derrubando culturas e erguendo civilizações…

Trajano e Adriano foram os primeiros imperadores romanos espanhóis e eles vieram dos arredores sevilhanos…

Há exatos 500 anos, Fernão de Magalhães e Juan Sebastián Elcano partiram do rio Guadalquivir para dar a primeira volta ao mundo. Dos 239 viajantes, só 18 chegaram ao final da viagem, três anos depois…

O coração desta cidade tem segredos que todos conhecem: está guardadinho no Arquivo das Índias o Tratado Tordesilhas. E descansa sob o teto da Catedral o que restou de Cristóvão Colombo…

Andando distraído pela Calle Sierpes, José Saramago teve o primeiro lampejo para escrever O Evangelho Segundo Jesus Cristo. E Miguel de Cervantes escreveu por aqui seu Rinconete y Cortadillo…

Foi em Sevilha, que Andrey Friedmann deixou para trás uma frágil carreira no cinema para se tornar Robert Capa, o maior fotojornalista de todos. Gracias, Gerda Taro!

Na cidade de La Giralda, me encanto com Triana, Macarena e Santa Cruz; sucumbo aos Reales Álcazares, à Plaza de España e à monumental Catedral; me perco na Judería, nos Jardines de Murillo e no Parque de Maria Luisa; meus olhos mergulham da Puente de Triana, da Torre Del Oro e da Torre de Sevilla.

Em Sevilha, vivi um ano inesquecível, intenso e transformador. Deixo aqui meu coração. Voltarei para buscá-lo.

Encontro sobre memória e direitos humanos

O Instituto Memória e Direitos Humanos da UFSC promove em 25 e 26 de setembro o seu primeiro evento, um encontro que tem como tema as violências de Estado no Passado e no Presente.

Além de mesas redondas e palestras, estão previstas sessões de apresentação de trabalhos de estudantes, pesquisadores, professores e demais interessados. Serão recebidas propostas até 12 de agosto.

As normas de submissão e formatação das propostas estão aqui. E aqui uma prévia da programação.

Três armadilhas a evitar quando pensamos sobre a crise do jornalismo

É tentador projetar cenários e apontar para soluções quando estamos estudando ambientes de crise. Tendo como objetivo fazer sínteses para explorar flancos e arrancar saídas, volta e meia cometemos erros de leitura e de julgamento. Por isso, é preciso evitar certas armadilhas.

No caso da crise do jornalismo, vejo como é fácil cair em três delas, pelo menos.

A primeira é fazer diagnósticos sem se apoiar em dados da situação. A indústria jornalística no Brasil é muito reticente em fazer pesquisas e disponibilizar essas informações. O resultado é um setor que funciona de forma errática, aos trancos e barrancos, à base da tentativa e erro. É um setor também que inova menos do que poderia, justamente porque teme o fracasso e não considera o risco como uma constante na equação daquela exploração econômica. Assim, como temos poucos números e nem sempre é possível gerar séries históricas que permitam comparações, recorremos a projeções nem sempre realistas.

Por isso, com alguma frequência, precisamos produzir relatórios, estudos e até mesmo dados. Fiz isso muito rapidamente no segundo capítulo de A Crise do Jornalismo Tem Solução?, que lancei este ano. Me debrucei sobre um material da Associação Nacional dos Editores de Revista (ANER) de anos passados e comparei com a realidade que encontramos nas bancas atualmente. Cheguei a uma taxa alarmante: 35 das 100 revistas mais lidas em 2014 já não circulavam mais quatro anos depois. Perceba: estou falando de publicações bem sucedidas de diversos nichos e públicos, e que simplesmente deixaram de existir em pouquíssimo tempo. Isso é uma medida, não a única, mas ela ilustra parte de como a crise se manifesta no mercado brasileiro…

A segunda armadilha fácil de se cair quando se pensa em crise no jornalismo é ignorar a escala dos acontecimentos e dos atores implicados. Quer dizer: a crise afeta cada um de um jeito, com uma duração e conforme uma proporção. A queda vertiginosa de vendas em banca pode acionar o alerta amarelo num jornal grande (e que tem boa base de assinantes no modo digital), mas pode ser fatal para uma empresa média, muito dependente desse modelo. Da mesma forma, o muro de pagamento pode funcionar em alguns casos e em outros, não, conforme comento também no livro. É preciso considerar o contexto e ponderar como cada fator pode se comportar num contexto de crise. E ficar com olhos atentos porque o peso e a influência desses fatores pode se modificar em meio à observação.

A terceira armadilha é permitir que nossos desejos contaminem nossas leituras da crise. Porque amamos o jornalismo e porque não queremos que ele desapareça, nos apressamos a dizer que ele nunca morrerá, que as mutações pelas quais passa são superficiais, e que não estamos vivendo um furacão, mas só uma ventania. Cuidado! Desejar que algo não aconteça não necessariamente impede que aquilo realmente ocorra. É preciso mais para evitar a realidade: interferir nela. Seja propondo soluções, apontando para erros evitáveis ou implantando saídas na prática, por exemplo.

Não nos enganemos: a crise que afeta o jornalismo é inédita na sua complexidade, duração e alcance. É também nova porque afeta aspectos que são estruturais e não só conjunturais.

Não é fácil nem cômodo estudar o terremoto com ele acontecendo. Você tenta anotar na prancheta, mas ela cai e a caneta também. Logo, é a gente quem está no chão vendo tudo ser remexido e nossa visão se nublando…

Direito à comunicação no Brasil: um relatório

O Intervozes lançou mais uma edição de seu relatório Direito à Comunicação no Brasil. A publicação, referente a 2018, aborda temas como fake news, violações ao direito de protestar, concentração de mídia e políticas de acesso à internet, entre outros. Em PDF, 80 páginas.

Baixe aqui.

A Lava Jato domesticou a imprensa: uma entrevista

Conversei com Laercio Portela, do Marco Zero, um dos mais pulsantes meios jornalísticos independentes de Pernambuco. Ele quis repercutir os terremotos das revelações feitas por The Intercept Brasil sobre Sergio Moro, Deltan Dallagnol e outros mais.

Falei bastante. Desculpe.

Na íntegra, a entrevista pode ser lida aqui.

Lá se foi Clóvis Rossi

O coração de Clóvis Rossi parou, e o jornalista está morto.

Juca Kfouri escreveu um curto comentário em seu blog, que dá uma dimensão de como é difícil se despedir de amigos.

Eu não conhecia Clóvis Rossi pessoalmente, mas o acompanhava há 30 anos, pelo menos. Eu o li religiosamente durante duas décadas, e ele representou um dos meus horizontes como jornalista. Foi um dos que me influenciou no início de carreira pelo texto, a bagagem profissional, o jeitão de repórter e a compreensão histórica da política na América Latina.

De uns anos para cá, Clóvis Rossi foi caminhando cada vez mais para o epicentro ideológico da classe média, e eu fui me distanciando. Era um moderado, civilizado e até brando. O que ele escrevia já não batia tanto com o que eu acreditava ou via no mundo. Não importa. Hoje, se foi um dos grandes jornalistas do meu tempo. Obrigado, Clóvis.

Nunca sabemos quanto tempo resta

Talvez a gente possa culpar deus ou a filosofia pela ironia que é a consciência humana da morte. Dizem que somos os únicos seres na Terra a saber que um dia morreremos. Os demais são sortudos porque ignoram, vivem e ponto.

A ironia (de deus ou da filosofia) é que sabemos da missa só a metade. Todos sabemos que um dia estaremos mortos, mas não nos é revelado quando isso vai se dar na prática.

Meu pai morreu aos 48 anos. 17 dias depois do próprio aniversário, o que dá pra dizer que aquele foi o ano mais curto da vida dele. E como passou o tempo todo num hospital, nem é possível dizer que aproveitou esse ano. Por isso, considero que o último ano de vida dele foi o anterior, aqueles 12 meses de quando tinha 47 anos.

Imagino que, naquela manhã de 5 de agosto de 1989, quando completou 47, meu pai não imaginava que estaria morto em pouco tempo. Apenas vivia. E ponto.

Completo 47 hoje, e tive uma vida muito diferente da do meu pai. No entanto, como ele, não sei ainda quanto me resta a partir de agora. Isso não me atemoriza de verdade. Só me permite entender o que era aquele homem, naquela fase da vida, um ano antes de desaparecer por completo…

O livro “A crise do jornalismo tem solução?” na mídia

Na metade de maio, começou a chegar nas melhores livrarias do país e nas plataformas de ebooks do mundo inteiro o meu livro “A crise do jornalismo tem solução?” (Ed. Estação das Letras e Cores).

Se você não sabe do que estou dizendo, eu explico aqui. E se ficou interessado em ter o seu, vá por aqui. Veja o que andam dizendo sobre ele: