Mais um jeito de ver o problema dos dados

O economista e professor da USP, Ricardo Abramovay, explica com nitidez cristalina mais um dos muitos problemas da economia baseada em dados pessoais. Ele diz que, no capitalismo convencional, os preços eram uma medida entre oferta e procura, e que oscilavam a partir da tensão entre essas duas forças. Forças que se moviam por diversos fatores.

Agora, com um punhado de empresas que coletam os nossos dados e sabem o que desejamos e quanto podemos pagar por nossos desejos, esse velho esquema sofreu fortes abalos. Afinal, quem oferece agora sabe com muita antecedência a demanda, e tem um controle das regras do mercado que nunca se teve!

Esse é mais um jeito de entender o tamanho do problema da captura, processamento, modulagem e tráfico de nossos dados pessoais!

Abramovay também fala de vigilância, controle social, interferência na democracia e outros temas que atravessam essa questão. Você pode ouvi-lo neste episódio do 451MHz, o podcast da revista QuatroCincoUm.

Quem escolhe o que você come?

Os restaurantes a quilo são uma maravilha brasileira. Oferecem variedade de sabores, ajudam a reduzir o desperdício das sobras e têm preço aceitável. É sempre mais barato comer por este sistema em comparação com o à la carte.

Você chega salivando no estabelecimento, dá uma lavadinha marota nas mãos com o álcool-gel e vai logo pegando o final da fila. A fome e a conversa te distraem e você nem percebe que tem alguém definindo o que vai parar no seu prato. Já pensou por que todo restaurante a quilo tem salada no começo e carnes e alimentos mais gordurosos no final? Percebeu o tamanho das vasilhas de vegetais e as dos demais pratos? Já se perguntou quem definiu aquela sequência de ofertas? E no que essa pessoa se baseou?

Pois é. Existe um SEO ali, meu chapa.

SEO é a sigla para Search Engine Optimization, expressão que significa um conjunto de características para melhor posicionar um site num buscador da internet. Como existem zilhões de endereços na web, alguns macetes ajudam o Google e seus concorrentes a varrer a rede e encontrar mais rapidamente uns sites em detrimento de outros. Pesquisas mostram que os usuários são impacientes e frequentemente se detém na primeira ou segunda página de resultados de uma busca. Daí que usar técnicas de SEO ajuda um site a ser mais visível, o que lhe dá uma vantagem competitiva.

Mas o que isso tem a ver com o meu restaurante a quilo?

Quando eu digo que tem um SEO em ação, me refiro a um conjunto de ações implementadas para orientar as ações dos clientes. Essas jogadas são tão bem feitas que a gente nem percebe e aí, consome do jeitinho que o dono do produto quer.

É por isso que as saladas são oferecidas primeiro e as carnes depois. Vegetais são produtos mais baratos, e os alimentos mais elaborados não são só mais caros, como dão mais trabalho no preparo, requerendo cozinheiros, assistentes etc. Assim, você enche seu prato com algo bem volumoso e deixa menos espaço para algo que é até mais saboroso, mas também mais dispendioso. Como você sucumbe à sedução das cores vívidas e cheiros apetitosos da gordura e outros venenos maravilhosos, você nunca deixa de colocar aquele bife mal passado no cantinho do prato. E como há só 2 centímetros quadrados de área disponível, você coloca dois pedaços, e monta um em cima do outro. É a lei da compensação! Você nem ia comer dois pedaços, mas estava tão irresistível aquilo tudo, e aí, aproveita…

Você acaba fazendo um prato mais pesado, paga mais e o dono do restaurante fica feliz da vida… No outro dia, você volta e a roda gira de novo sem o cliente perceber.

Há restaurantes que argumentam que seus menus são elaborados por nutricionistas que não só garantem a qualidade e a variedade nutricional, como o equilíbrio calórico. Há ainda quem diga que são os nutricionistas que decidiram que os vegetais devem vir primeiro, pois são mais saudáveis e ajudam a preparar o estômago para a digestão… a-hãm… pode até ser, mas já tentou começar a se servir invertendo essa ordem? Talvez você não consiga pois há um sistema muito eficiente para moldar o seu comportamento: a fila. Tente furar ou tumultuar a fila e os demais clientes vão torcer o nariz e talvez até roubem aquela linguicinha do seu prato. Para não ferir suscetibilidades, você evita esses transtornos sociais e se adequa ao formato imposto. Com uma diferença: acha que tem liberdade para escolher o que quiser para comer.

Na-na-ni-na-não. Você só pode comer o que o restaurante oferecer, na sequência que ele determinar e mais ou menos na mesma quantidade, afinal, o tamanho do prato também é um elemento definidor naquele sistema. Essas ações funcionam de forma integrada e ajudam a determinar comportamentos, a orientar atitudes.

Claro que eu não estou dizendo para você evitar restaurantes a quilo. Eu adoro eles também. Mas eles me fazem pensar que não sou apenas eu quem escolhe o que vai no MEU prato…