No começo do século, era cool ser existencialista. Depois, virou chatice.

Nos anos 30 e 40, a fenomenologia era o hype. Depois, cansou.

Nos anos 50 e 60, era chique ser estruturalista. Depois, virou xingamento.

Nos 70, o bom era ser marxista. Depois, virou paranóia.

Nos 80 e 90, a melhor saída era ser neoliberal. Depois, parou de render.

O Cultura, do Estadão de hoje, traz matéria sobre os chamados filósofos neo hedonistas, aqueles que devotariam seu tempo para estudar e refletir sobre os prazeres da vida nesses tempos bicudos. Michel Onfray, Giles Lipovetsky, Michel Maffesoli, Luc Ferri, André Comte-Sponville.

Bobagem.

Filósofoso é filósofo, mesmo quando ele vende 200 mil exemplares de seu livro. Mesmo quando participa de quadro no Fantástico. Mesmo quando dá consultoria a empresas.

O que querem é rotular e desacreditar.

Por que o filósofo precisa ser hermitão? Lunático? Feio e chato? Precisa morar na caverna d Platão? Morrer com dores de cabeça como Nietzsche? Suicidar-se como Deleuze?

Alguém já disse que a filosofia perdeu espaço para a auto-ajuda na vida moderna. E que hoje os filósofos precisam reencontrar uma razão para sua existência. Fala-se de filosofia clínica, hoje em dia.

A discussão é velha e boba: popularizar o saber sem ser superficial; garantir o saber diante da massa ignara, bla-bla-bla, blá-blá-blá!

Nietzsche tinha uma ótima imagem para isso: eles são os turvadores de água. Batem com suas bengalas no rio e fazem com que a areia do fundo suba à tona revolva-se e turve a água. Aí, pensamos: nossa! como são profundos! nem enxergo o fundo…

A filosofia pode ser best-seller. A filosofia pode. E não pode. É caro ao filósofo sensibilidade, inteligência, rigor de análise, criatividade, humanidade, sentido do seu tempo.

4 comentários em “mais um rótulo

  1. Eu adoro Filosofia e acredito que ela está presente o tempo todo em nossas vidas, não nas dores de cabeça, nos suicídios ou nos pensamentos lunáticos. Nietzsche fez eu acordar para inúmeras atitudes comuns da minha realidade — e pouca gente da ‘massa’ vê tudo isso como filosofia.

    E sobre a Lauryn, eu também casaria com ela agora! Hahaha! Brincaderia. O meu cabeludo eu não largo por nada (só se a Lauryn pedir, daí até penso UMA vez no caso dela!). Bom dia, professor! Obrigada pela visita.

  2. Filósofo reconhecido e atual é algo impossível. Valor mesmo só para aqueles que já estão debaixo da terra. Além disso, esse negócio de auto-ajuda é muito estranho: se a ajuda é “auto”, por que eu preciso comprar um livro para falar coisas que eu já sei?

    É como diz o Schopenhauer: devemos dar valor aos clássicos, porque os atuais não fazem valer nem a tinta que gastam no que escrevem. Mas daí, como bom filósofo, ele embanana as idéias de vez: mesmo assim, temos que estar abertos a novas perspectivas, para o desenvolvimento. Vai entender…

    (Joel)

  3. Como fazer da filosofia notícia e não cair em clichê? É difícil. Comadre, li o texto e concordo com os teus comentários. Acho ainda que só há crédito no que foi escrito para quem está fora do discurso filosófico. Bom, acho então que o veículo de comunicação alcançou seu objetivo. Despertar o interesse de um número expressivo de leitores significa, quase sempre, deixar os especialistas de lado e ignorar o que há de potência sobre o que eles ensinam. Não concordo totalmente com a seqüência dos movimentos de pensamento que fizeram escola, mas especificamente, ali na passagem do “ser marxista” para o “ser neoliberal”. O modelo de fazer política neoliberal passou a ser o discurso da vez, mas não uma filosofia pautada numa corrente teórica neoliberal. Senti falta do pós-estruturalismo e do discurso pós-moderno. De fato, concordo plenamente com a tua crítica: o que eles querem é “rotular e desacreditar”. Será que foi explicado algum conceito desses autores citados? Não. O que vemos nessa imprensa do espetáculo é, no máximo, citar o nome dos conceitos, como se fossem palavras-chave. Quando isto acontece, é o avesso da crítica; uma espécie de bestialidade. Neste caso, uma bestialidade ressentida. Para terminar, não concordo com o comentário do Joel de que não há mais filósofo vivo de “valor”. Selecionando rapidamente alguns que me vêm à memória, temos (podemos até não comungar com o lugar de interpretação deles na filosofia, mas são filósofos respeitados): Harbemans, Agamben, Negri, Žižek..

  4. Um questão como essa não é fácil de comentar, reduzir a “eu gosto/eu não gosto”, eu acho isso/eu acho aquilo. Ela merece, na verdade, uma crítica muita mais plural e ampla, se for realmente para contribuir com o assunto, prolongá-lo, torná-lo um debate… E isso não acontece no calor de um comentário para blog, obviamente. Assim como uma crítica demorada parece, curiosamente, não caber, não ser digna de um comentário de blog. Problemão, hein?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.