Um Biajoni, curioso, explora outros caminhos

A-viagem-de-James-AmaroLi com muita curiosidade “A viagem de James Amaro” (Língua Geral, 2015). Luiz Biajoni mandou um exemplar pra casa, com uma dedicatória simpática, e me adiantou que havia muito jazz naquelas páginas. Corri pra ler, mas atrasei um pouco o ritmo de viradas de página para “ouvir melhor”. Sim, o pequeno volume tem grandes sets e jams!

E se você já conhece o Biajoni, espera personagens alucinados por sexo, que fazem muito sexo e que se fazem pelo sexo. Em livros anteriores – e ele não precisou de muitos -, o autor de Americana (SP) martelou um conjunto de características literárias e narrativas que acabou por moldar um certo estilo. “A Comédia Mundana” reúne três novelas sacanas que calcificam essa ideia, e a tentação é pensar: Biajoni segue a linha do Bukowski, Henry Miller, no mesmo naipe. O James Amaro destoa e nos mostra um Biajoni diferentão, sensivelmente mais maduro e disposto a arriscar em outros quintais.

Então não tem sexo? Claro que tem. Não tem putaria? Alguma, é verdade. Mas cadê o diferentão? Está na condução dos destinos dos personagens, na linha que o autor traça para depositarmos sobre ela nosso olhar e por ali vagar. Na capacidade de ir além dos gritos e sussurros, do suor e dos movimentos pélvicos.

James Amaro é um advogado bem-sucedido, rico, predador sexual, e que – a partir de um susto na vida – decide fazer uma viagem de carro do interior paulista a Parati, no Rio. Abastece seu grande carro branco com CDs de clássicos do jazz e leva consigo um antigo amigo dos tempos de escola, um cara que não via há décadas, mas que se convence de acompanhá-lo por absoluta falta de saída. Sentamos, então, no banco de trás do grande carro branco, ouvimos as confissões de lado a lado e numerosos comentários sobre música, formação de bandas, virtuosismos e tragédias do mundo do jazz. Para quem conhece e gosta do gênero, um deleite. Para quem não está nem aí pra coisa, uma oportunidade de acompanhar um didático desfile, gloriosa galeria de artistas.

Se fosse um filme, teríamos um sonoro road movie. Mas é literatura e temos à mão uma convidativa road novel, sem maiores pretensões ou ambições de transformar o mundo das letras. Como a trilha sonora é daquelas, periga de a gente se distrair e não perceber um Luiz Biajoni mais arrojado. Se há dez anos, era ousadia escrever tão escancaradamente sobre sexos e fluídos corporais, agora, enfrentar emoções em outros pavimentos se traduz em mais coragem. O que é que sobra depois que alguém se levanta para ir se lavar no banheiro? O que nos resta depois que o parceiro pegou no sono?

Nem falei para o Biajoni, mas confesso aqui: temi que ele ficasse refém de certos cacoetes, esparramado sobre aqueles corpos nus e mergulhado na molhada fugacidade dos gozos apressados. Em “A viagem de James Amaro”, Biajoni não deixa de tratar daquilo, mas é possível dizer que ele deixou a zona. A do conforto. E isso me alegra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s