A escrita e a potência de ser outro

22165971É uma ideia recorrente aquela que vê no ator um afortunado por sua capacidade de viver mais vidas que a própria. É comum também esquecermos que outros podem ir além dos contornos de suas existências. De um modo geral, a arte permite isso; de uma forma específica, a literatura também. Não consegui desgrudar dessa sensação após ler “Cavala”, de Sérgio Tavares.

Despretensioso, o livro venceu o Prêmio Sesc de Literatura em 2009 na categoria contos e nos oferece alguns motivos para reafirmar essa potência do ato de escrever. Consciente disso ou não, Sérgio não perdeu a chance e se desdobrou numa modelo bulímica com TOC, numa descuidada ninfomaníaca, num frágil limpador de banheiros e num adolescente que acredita trazer seu cão no bolso de trás. Gente tão distante do pai de família que se divide entre o trabalho, a vida doméstica e a lida literária nas madrugadas insones. Gente esquisitamente diferente de nós, e tão próxima nas suas ansiedades… Como Sérgio pode saber tanto da vida dessas pessoas? Alguém pode responder: Ora, foi ele quem as criou. Mas não basta porque reconhecemos ali personagens de NOSSAS vidas! Mesmo que você evite concordar, mesmo que deseje não se perceber ali…

O fato é que Sérgio afunda tanto nos labirintos mentais, nas fragilidades daqueles corpos que promove um apagamento de si absolutamente necessário para o efeito que quer causar: nos fazer acreditar nas personagens, nos dramas e nas ilusões que as sustentam.

Somos tão convencidos daquilo que vasculhamos o bolso da calça, contamos os passos do cômodo que ocupamos, passamos a mão pela virilha (para acalmar ou despertar algo)… Sérgio engana, transforma, metamorfoseia. Modula sua voz conforme a conveniência, traveste-se, monta-se. Sem medo aparente. Mas não é assim que tem que ser a literatura: convincente, verdadeira, bem feita? Sim, esperamos algo desse jeito. Mas você há de convir comigo que não é toda hora que esbarramos com uma literatura que nos tira do centro e do sério. “Cavala” faz isso. Dá um coice no leitor, desestabiliza, causa vertigem.

Temos ali 92 páginas de energia bruta, vazada por pensamentos fugidios e desejos pulsantes (ora contidos, ora não). Os protagonistas são solitários e quebradiços, errantes em suas miseráveis rotinas. São como nós, tentam sobreviver, lutam contra si mesmos e contra as adversidades. São humanos demasiadamente humanos e, talvez por isso, sequestram nossa simpatia até mesmo quando cometem ações reprováveis… Te desafio: tente condená-los após fechar o livro!

A potência literária de Sérgio está nesse descortinar de personas que o homem Sérgio pode ser só diante do teclado. Mas sua força vai além. Lá de Niterói – seja pela ponte ou pelas barcas -, Sérgio Tavares emite uma voz própria que ecoa na produção literária brasileira contemporânea. Não é barítono nem tenor. Mas tem timbre único, registro próprio. Não é pouco, pois isso não é para muitos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s