O que eu trouxe da Bienal do Livro…

Eu tinha todos os livros do mundo à disposição mas só carreguei dois em minha mochila. Não temia pagar excesso de bagagem no aeroporto, nem estava contando os centavos. Só decidi trazer dois títulos porque só eles me pareceram imperdíveis-fundamentais-necessários…

Compro livros com muita regularidade, tanto físicos quanto eletrônicos. Então, a Bienal do Livro no Rio não trouxe muitas novidades. O que me chamou a atenção mesmo foram duas ideias inteligentes e contra a corrente. Em A Vingança dos Analógicos, o canadense David Sax chama a nossa atenção para o ressurgimento com vigor dos discos de vinil, do filme em película, dos cadernos Moleskine, de revistas de nicho, enfim, de tecnologias analógicas que enriquecem nossa experiência humana nesse contexto de altíssima conectividade. O texto é limpo, bem humorado, próprio das boas reportagens ou dos livros sobre cultura, consumo e comportamento. Em O Reino da Fala, Tom Wolfe sustenta a hipótese de que foi a fala, e não a evolução, que permitiu que chegássemos onde chegamos como humanos (!!).

Fiquei pensando porque, diante de tanta gente abarrotada de sacolas, só trouxe dois míseros títulos. Descobri só ontem no labirinto das boas ideias daqueles autores inspirados: livros são caixinhas mágicas de ideias, e aquelas que eles me apresentavam eram tão cintilantes que ofuscaram todas as outras milhares de caixinhas da Bienal…

Anúncios

Um Comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s