O grande carnaval

Logo depois que nos vimos livres dele, o país explodiu. Em festa. Ninguém mais ficou em casa, e as ruas ficaram estreitas pra tanta gente. Desconhecidos se abraçavam, panelas viraram tamborins e a bandeira nacional parecia estandarte apoiado nos quadris das porta-bandeiras improvisadas.

Em cada esquina, um samba, um funk, um hino de clube. Os bares serviam rodadas gratuitas e quase ninguém comprava os bilhetes de loteria vendidos à boca aberta. O motivo? Todos se sentiam milionários de felicidade.

O comércio escancarou as portas, mas não era pra vender nada não. Era pra fazer dos prédios, as casas abertas que todos queriam até então. Os comerciantes foram liberados pelos patrões que não viram sentido nenhum em estancar tanta alegria. Em cada quarteirão, havia um Galo de Madrugada, uma ala de napoleões retintos gargalhando da deposição dos napoleões de hospício.

Engravatados dos escritórios desceram pelas escadas, e faziam ciranda com travestis, drags e todos os que faziam do seu corpo uma obra de arte em profusão. Mendigos banhavam-se nas fontes e espirravam jatos de água nas madames que se rendiam às provocações. Mulheres faziam atos solenes de reintegração de posse de seus corpos, de seus direitos, inclusive os reprodutivos.

Crianças corriam sem donos e cachorros corriam sem pais. Afinal, havíamos nos livrado dele. As cadeias só não foram abertas porque carcereiros faltaram ao trabalho, e, estranhamente, nenhum óbito foi registrado nos hospitais e IMLs do país. Os burocratas que assinavam esses documentos acenavam das marquises das repartições, e, por justiça divina, à morte foi dada folga naquele dia incomum.

Logo depois que nos vimos livres dele, os problemas não foram magicamente solucionados, nem as mazelas rapidamente enterradas. Apenas reencontramos razões para sermos felizes juntos, naquilo que nos era mais comum. Era um dia apenas: um carnaval fora de época, alastrado pelo país, decretado pela vontade popular e governado pela esperança de podermos começar tudo de novo. Mas, desta vez, melhor. Sem ele.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.