o retorno de house

Setembro terminou com a volta do seriado mais irônico e bem roteirizado da TV: House, MD. Trata-se da sétima temporada, o que entre os fãs pode significar a continuidade ou não da história. Eu explico: o ator Hugh Laurie, que interpreta o médico do título, teria assinado contrato até o sétimo ano, e há boatos que ele estaria como seu personagem, enfadado e disposto a jogar tudo pra cima.

Fofocas à parte, o fato é que a série voltou com tudo. Vi os dois primeiros episódios e me contagiei com as novidades na trama.

Contrariando todos os prognósticos, House e Cudy estão juntos. Uma crise reaproxima e incendeia os sentimentos. De volta ao hospital, eles decidem informar a todos que estão namorando, o que inclui comunicar formalmente o Departamento de Recursos Humanos, afinal Cudy é a chefe de House. Um receio secreto de ambos é que o romance interfira nas decisões profissionais e vice-versa. Bem, e aí a coisa vai…

Mas o que me chamou mais a atenção é que encontramos um House diferente, permitindo-se uma segunda chance, buscando alguma felicidade. Para isso, contraria algumas das suas convicções, submete-se, o que – convenhamos – é a morte para ele. Mas este House diferente, na minha leitura, é um personagem que está se esforçando para aprender a amar. Isto mesmo: House está tentando aprender a amar. Talvez pela primeira vez efetivamente.

Não é pouco.

Aliás, se formos pensar, os herois desta narrativa têm muita dificuldade no terreno sentimental. House parece se sabotar a todo instante: não cede, é repulsivo e desagradável até mesmo para os amigos; Foreman, sob a máscara da seriedade e soberba, é rude e não consegue cativar Thirteen; Taub vive um casamento tumultuado, cheio de interditos e mentiras; Wilson evita se relacionar desde que perdeu Amber; Chase e Cameron não se acertam por causa de um luto do qual ela não consegue se livrar; Cudy busca se realizar como mãe adotiva ao mesmo tempo em que tenta preencher seu coração…

Diante de tantos insucessos amorosos, parece vigorar uma equação no Princeton-Plaisnboro Hospital: médicos salvam vidas mas não podem ser felizes. Do ponto de vista narrativo, a fórmula rende muitas idas e vindas, mas vendo a sétima temporada me passou algo pela cabeça: se House pode amar, se pode se dar bem nisso, todos os demais também conseguem. Seria uma boa maneira de se terminar o seriado… Não que eu queira, claro. Mas resultaria num bom desfecho, até porque não é novidade nenhuma a certeza de que assistimos a House não pelos sintomas estranhos e doenças raras, mas pelos dramas pessoais dos médicos daquele Departamento de Diagnóstico.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s