um mapa nacional da mídia digital

Mapeamento da Mídia Digital no Brasil imagesgstsAcaba de cair na rede um estudo amplo e aprofundado sobre os meios digitais no país. “Mapeamento da Mídia Digital no Brasil” é uma iniciativa da Open Society, assinado por Pedro Mizukami, Jhessica Reia e Joana Varon. Tem oito capítulos espalhados em 173 páginas que tratam de consumo, relações com a sociedade, jornalismo, tecnologia, negócios e formas de financiamento, leis, regulações e políticas. Em linguagem clara, com textos analíticos e recorrendo a diversas fontes, o estudo merece leitura atenta e muita discussão. Tem mais: está bem atualizado, já que a ele foram adicionadas informações sobre o Marco Civil da Internet, aprovado e sancionado em abril passado.

Acesse aqui. (em PDF, em português e com arquivo de 7,6 Mega)

facebook, whatsapp e você com isso…

A semana passou e cansei de ver jornalistas na TV anunciarem com um indisfarçável sorriso a compra do WhatsApp pelo Facebook por US$ 16 bilhões. Fiquei intrigado: por que tanta alegria? Quem ganha com um negócio desses?

Os mais entusiastas dirão: os usuários porque agora o WhatsApp vai bombar. Besteira. Nada garante isso.

Pergunto de novo: quem ganha com isso? Só o Facebook. Tenta conter a já alardeada e preocupante sangria de usuários, dá um passo na direção dos mais jovens que uatsapam e concentra mais o mercado da internet.

A concentração de mercado só é uma boa jogada para os peixes grandes que devoram os pequenos. Só.

cadê a privacidade que estava aqui?

Capa_PoliTICS_16_100x133Se você é daqueles que andam bem cabreiros quando navegam na internet, vale a pena estar muito informado sobre as principais discussões sobre privacidade e segurança de dados. Existe muita coisa por aí que merece ser conhecida e lida, e uma lista de leituras obrigatórias seria sempre muito limitada. Por isso, nem me arrisco a fazer, até porque por mais que estude o assunto, ainda tenho muito a aprender sobre a tal coisa…

De qualquer forma, me atrevo a indicar a leitura do mais recente número da revista poliTICs, editada pelo Nupef, que circula gratuitamente e pode ser lida tanto em papel quanto em PDF.  O número em questão traz três artigos muito importantes. O professor Pedro Antonio Dourado de Rezende, de Ciências da Computação da UnB, aponta caminhos para se entender melhor as denúncias de espionagem e vigilância global, hipertrofiadas com as ações de Edward Snowden. De quebra, faz um “afago” ao ministro das Comunicações, Paulo Bernardo.

O cultuado ativista Cory Doctorow chacoalha a cadeira para falar de marcos regulatórios para proteção de dados na União Europeia. Você não mora por lá? Não importa. Se algo de grave acontecer do outro lado do Atlântico, o que garante que as ondas não cheguem aqui?

E se você pensa que “privacidade” é apenas manterem seus dados guardadinhos quando você acessa algum site, abra a cabeça com o artigo de Koichi Kameda e Magaly Pazello, pesquisadores do Nupef, que abordam a segurança de dados sobre a saúde das pessoas num ambiente hiperconectado como o nosso.

E já que estamos falando nisso, por que não conferir Os arquivos de Snowden, o livro do jornalista Luke Harding, do The Guardian, sobre o delator dos megaesquemas de espionagem dos EUA? Lendo a trajetória do jovem analista de segurança terceirizado da NSA, dá pra ver como resta quase nada do que chamávamos de segurança na navegação e privacidade…

previsões para o jornalismo em 2014

mae-dinah-foto
mãe dinah…

Não tenho bola de cristal, mas há quem tenha. Vale a pena conferir o que alguns dos principais produtores, teóricos e críticos do mundo têm a dizer sobre o jornalismo em 2014. Vale a pena também retornar a este post em janeiro de 2015 para conferir quem acertou e quem fracassou miseravelmente… (marque na sua Google Agenda)

O site britânico Journalism.co.uk lista dez tendências (um resumo em português aqui, com o Newsgames):

  • Mobile e design responsivo
  • Conteúdo geolocalizado
  • Redes sociais privadas
  • Jornalismo feito por drones
  • Vídeos curtos
  • Análise de dados e audiência em tempo real
  • Windows phones
  • Tecnologia “vestível”
  • Notícias “antecipatórias”
  • Publicidade nativa

O Nieman Journalism Lab publicou uma série especial sobre o assunto, ouvindo 52 especialistas, que vão de Amy Webb a Alfred Hermida, passando por Rick Edmonds e Michael Schudson. Tem chute pra todo lado, mas há ideias bem instigantes (confira aqui).

Mas se você ainda não virou a página e ainda está em 2013, não tem problema. The New York Times juntou um punhado de ótimas reportagens multimídia e interativas que você pode ver aqui (sem pressa nenhuma).

assange promete mais uma…

O fundador do WikiLeaks, Julian Assange, anunciou que deve lançar no próximo mês o livro Cypherpunks: Freedom and the Future, em que manifesta – junto com Jacob Appelbaum, Jérémie Zimmermann e Andy Müller-Maguhn, entre outros ativistas da internet – suas preocupações sobre o controle e o futuro da internet.

Vem aí mais uma bomba do australiano de cabelos prateados…

as entrevistas de assange em português

O jornalista e blogueiro Dauro Veras, em parceria com a Agência Pública, está publicando em seu DVeras em Rede a série O Mundo Amanhã, de 12 entrevistas em vídeo realizadas pelo fundador do WikiLeaks, Julian Assange. A série traz entrevistas com grandes nomes da política, cultura e pensamento para o canal de televisão russo RT. Cada capítulo tem cerca de meia hora de duração e será publicado pela primeira vez no Brasil com legendas em português no blog do Dauro às 18h das quartas-feiras. Aliás, começou ontem com o líder do Hezbollah, Sayyed Hassan Nasrallah.

Vá conferir!

hoje começa o pentálogo

João Pessoa sedia a partir de amanhã, 17, e até a próxima sexta, 21, a terceira edição do Pentálogo, um evento promovido pelo Centro Internacional de Semiótica e Comunicação (Ciseco). O encontro tem como tema “Internet: viagens no espaço e no tempo”, e sua programação é muitíssimo tentadora para quem se interessa por aspectos culturais, econômicos, políticos e sociais da web.

Estarei lá, a convite de Antonio Fausto Neto, e devo apresentar parte do que venho pesquisando sobre os pontos de contato entre as éticas dos jornalistas e dos hackers. Mas o Pentálogo vai muito além disso. Veja a programação:


17/09 – As redes na história da midiatização

9h: Una nueva etapa de convergencia entre dispositivos, naturaleza y cultura

Mario Carlon – Universidade de Buenos Aires (Argentina)

11h: Redes, Marginálias e Zeitgeist: os comentários de leitores na constituição da memória do tempo presente

Marcos Palácios – Universidade Federal da Bahia (Brasil)

14h30: Los 10.000 dias que estremecieron el mundo. Redes, interfaces e hipermediaciones

Carlos Scolari – Universidade Pompeu Fabra (Espanha)

16h30: Dimensiones de la semiosis, redes y modalidades de acceso: Internet en perspectiva histórica

Eliseo Verón – Universidade de San Andrés (Argentina)


18/09 – Internet, sociedade civil e atores individuais

8h30: Narcomundo y nuevos medios: de la impresión a la expresión

Beatriz Quiñones – Universidade Nacional de Colombia (Colômbia)

10h30: De hackers a curadores – competencias estéticas en la era de la sobre/información

Cecília Sluga e Lucas Worcel – Consultores em Comunicação (Argentina)

14h: Web y alimentación: acerca de la publicidad destinada a los niños

Oscar Traversa – Instituto Universitário Nacional da Arte (Argentina)

15h45: Cultura e Média Digitais. Elegias e Ditirambos

Antonio Fidalgo – Universidade Beira do Interior (Portugal)

17h15: El periodismo en internet: acerca del lenguaje en la pantalla

Silvia Ramirez Gelbes – Universidad de Buenos Aires (Argentina)


19/09 – MANHÃ e TARDE – DIA DO COLÓQUIO SEMIÓTICA DAS MÍDIAS

19h: CONFERÊNCIA MAGISTRAL

Internet, globalisation, politique: une perspective anthropologique

Marc Abèlés – Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais (França)


20/09 – Internet e política

8h30: A multidão e a economia política da Máquina de Turing: biolutas, mais valia de rede e o governo do comum

Henrique Antoun – Universidade Federal do Rio de Janeiro (Brasil)

10h30: A participação dos cidadãos nos sítios Web dos partidos políticos: o caso português

Paulo Serra – Universidade Beira do Interior (Portugal)

14h: Mediatización y protesta social

Sandra Valdettaro – Universidade Nacional de Rosário (Argentina)

16h: Jornalistas, hackers e novas políticas de valores

Rogério Christofoletti – Universidade Federal de Santa Catarina (Brasil)


21/09 – Internet e economia

8h30: O socius eletrônico

Muniz Sodré – Universidade Federal do Rio de Janeiro (Brasil)

10h30: Complejidad polifónica y politemporal de rumores con efecto económico en foros financieros de Internet

Manuel Libenson – Universidade de Buenos Aires (Argentina)

14h: Internet y procesos discursivos en las finanzas individuales

Sergio Ramos – Universidade de Buenos Aires (Argentina)

16h: Impacto da digitalização na televisão e no cinema

Guido Lemos de Souza Filho – Universidade Federal da Paraíba (Brasil)

17h30: SÍNTESE FINAL (O horário dessa sessão poderá ser antecipado)

Antônio Fausto Neto, Antônio Heberlê Oliveira, Eliseo Verón, Giovandro Ferreira, Paulo César Castro e Sandra Moura