narrativa e construção do herói

Desde ontem acontece no campus de Mariana da Universidade Federal de Ouro Preto a quarta edição da Semana de Comunicação. O evento tem como tema “Narrativa e construção do herói” e segue até amanhã. Estou afivelando a mochila para dar uma passadinha por lá, já que participo da mesa “A mídia (des)construindo um personagem” com Renne França e o professor Lalo Leal, da USP.

Toda a cobertura pode ser conferida no Facebook da IV Secom e no Twitter.

531149_134348756740628_661622719_n

(a programação de amanhã)

novas diretrizes para os cursos de jornalismo

(reproduzido do Fórum Nacional de Professores de Jornalismo)

O Conselho Nacional de Educação (CNE) aprovou, na última semana, o Projeto que estabelece as novas Diretrizes Curriculares para os Cursos de Jornalismo. Este fato altera a nomenclatura dos cursos da área de comunicação que até então eram designados como cursos de Comunicação Social, habilitação em Jornalismo ou Publicidade/Propaganda ou Relações Públicas ou Rádio e TV ou Cinema ou Editoração. Com exceção dos cursos de Cinema e Audiovisual que tem diretrizes próprias desde 2006, os demais cursos, por enquanto, mantém a nomenclatura curso de Comunicação Social, habilitação nos diversos campos de trabalho. Agora os cursos de Jornalismo também tem nomenclatura própria e serão designados como Curso de Bacharelado em Jornalismo.

A nomenclatura em si havia sido aprovada pelo Ministério da Educação, em 2009, quando normatizou os Parâmetros Curriculares Nacionais e estabeleceu, a despeito das diretrizes curriculares, o nome dos cursos. Assim, conforme esses Parâmetros (PCN) os cursos ficaram com os nomes que definem as áreas profissionais, ou seja, por exemplo, curso de Publicidade e Propaganda. Segundo a Secretaria da Educação Superior (SESu) do Ministério da Educação, os Parâmetros Curriculares Nacionais “deverão constituir-se em referência para o aprimoramento dos projetos pedagógicos, para orientar estudantes nas escolhas profissionais e para facilitar a mobilidade interinstitucional, assim como propiciar aos setores de recursos humanos das empresas, órgãos públicos e do terceiro setor maior clareza na identificação da formação necessária aos seus quadros de pessoal”.

Além dos PCNs, agora as Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Jornalismo definem as políticas, o processo pedagógico, o perfil técnico e a filosofia de formação dos cursos. O projeto foi elaborado por uma Comissão, constituída pelo então ministro da Educação, Fernando Haddad em 2009, presidida pelo professor catedrático da Escola de Comunicação da USP, Dr. José Marques de Melo e constituída pelos professores Alfredo Vizeu (UFPE), Luiz Motta (UnB), Sônia Virgínia Moreira (UERJ), Manuel Chaparro (USP), Sérgio Mattos (UFBA), Eduardo Meditsch (UFSC) e Lúcia Araújo (Canal Futura). Todos os membros da Comissão são doutores, jornalistas, pesquisadores e professores nos cursos de Jornalismo, exceção de Lúcia Araújo.

Do projeto original da Comissão de 2009 ficaram definidos que o curso teria uma nomenclatura específica – Bacharelado em Jornalismo, uma carga horária total de 3200 horas, a instituição do estágio curricular obrigatório, distribuição de disciplinas de formação específica e atividades laboratoriais a partir do primeiro semestre do curso, entre outras recomendações. Desse projeto se definia ainda a especificidade da formação em jornalismo. Dizia o documento que “o Jornalismo é uma profissão reconhecida internacionalmente, regulamentada e descrita como tal no Código Brasileiro de Ocupações do Ministério do Trabalho. A Comunicação Social não é uma profissão em nenhum país do mundo, mas sim um campo que reúne várias diferentes profissões”, se pode dizer que a comunicação é uma área de conhecimento.

O parecer do relator do processo que estabelece as novas Diretrizes Curriculares, no geral, foi aprovado pela Câmara da Educação Superior e agora aguarda a homologação do ministro da Educação para ser publicado no Diário Oficial da União. As novas diretrizes curriculares, entre outros temas, estabelece que os cursos terão estágio curricular obrigatório, uma carga horária total mínima de 3000 horas, atualmente está em 2700 horas; que o Trabalho de Conclusão de Curso possa ser realizado ou de forma prática, com elaboração de um produto jornalístico ou na forma monográfica, que incentiva, na graduação, a pesquisa científica; e ainda no contexto das recomendações politico-pedagógicas dos cursos ter por objetivo a formação de profissionais dotados de competência teórica, técnica, tecnológica, ética, estética; estar focado teórica e tecnicamente na especificidade do jornalismo, com grande atenção à prática profissional, sem detrimento da formação científica no âmbito das ciências humanas e sociais.

As nova diretrizes, conforme o documento elaborado pela Comissão de 2009, ainda estabelece alguns eixos fundamentais na formação do jornalista, quais sejam de fundamentação humanística, de fundamentação específica, de fundamentação contextual, de formação profissional, de aplicação processual e de prática laboratorial.

 

Agora vai?!

posjor lança nove livros na sbpjor

O Programa de Pós-Graduação em Jornalismo prepara um super lançamento editorial na 10ª edição do encontro nacional de pesquisadores, promovido pela SBPJor. São nove livros, todos editados pela Insular.

Confira!

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • A programação de rádios públicas brasileiras – Valci Zuculoto
  • As entrevistas na notícia de televisão – Cárlida Emerim
  • Comunicação e comunidades virtuais: participação e colaboração – Rita Paulino
  • No ar: a história da notícia de rádio no Brasil – Valci Zuculoto
  • Jornalismo convergente: reflexões e experiências – Raquel Longhi e Carlos D’Andrea (organizadores)
  • Reportagem, Pesquisa e Investigação – Rogério Christofoletti e Samuel Lima (organizadores)
  • O segredo da pirâmide – Adelmo Genro Filho
  • Pesquisa e pedagogia para um jornalismo que está por vir – Eduardo Meditsch
  • Telejornalismo Imaginário – Antonio Brasil

por que queremos uma copa?

Estamos a menos de dois anos de sediar uma copa do mundo no Brasil. Se fosse na Sumatra ou no Azerbaijão, a coisa teria menos importância. Por aqui é diferente. Mexe com sentimentos, com tradições que insistimos em cultivar e com paixões. Mexe também com muito dinheiro, política e a agenda do país. Mas há vantagem em ter uma copa no país? O que fica de legado depois que os vencedores levantam a taça e os estádios se esvaziam?

Carolina Dantas e Gian Kojikovski são estudantes de jornalismo na UFSC e tentam responder a essas questões no trabalho de conclusão de curso que estão produzindo. Talentosos e inteligentes, esses meninos são também persistentes e corajosos. Por isso, foram buscar respostas na África do Sul, a última sede da Copa da Fifa. Atravessaram o oceano, embrenharam-se pelas vielas de Cape Town, conversaram com deus e o mundo, e voltaram para Florianópolis com mais de cinquenta horas gravadas em vídeo para editar. O documentário “Depois do apito final” está em fase conclusiva de produção, e parte do processo dos jovens jornalistas pode ser conferido num blog. A orientação é da professora Cárlida Emerim.

Tive o prazer de acompanhar parte da formação de Carolina e Gian, como alunos, bolsistas, repórteres. Sei o quanto são autoexigentes. Tenho curiosidade para conferir o resultado dessa jornada. Eles vão longe! Se para fazer um trabalho escolar atravessaram o Atlântico, imagine quando mergulharem pra valer no mundo da reportagem…

crise mundial, oriente médio e comunicação pública, por kucinski

(reproduzido do POSJOR)

O Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da UFSC promove a partir deste mês o ciclo “Leituras Contemporâneas com Bernardo Kucinski”, um conjunto de conferências para discutir alguns dos principais temas da atualidade.

Nos mesmos moldes das lectures norte-americanas, as conferências do Leituras Contemporâneas são abertas ao grande público, gratuitas e voltadas à discussão e reflexão. A primeira delas aborda “A crise financeira mundial” e acontece no próximo dia 16 de outubro, terça-feira, às 10 horas no Auditório Henrique da Silva Fontes no CCE-UFSC. O evento é dirigido a professores, pesquisadores e estudantes de diversas áreas e a interessados em geral.

Em novembro, no dia 14, as Leituras Contemporâneas enfocam o “Oriente Médio e a Crise de Narrativas”, e em dezembro, no dia 5, a “Comunicação Pública Democrática”, ambos às 10 horas no Auditório Elke Hering, na Biblioteca Universitária da UFSC.

O ciclo é uma realização do Programa de Pós-Graduação em Jornalismo (POSJOR), com apoio do Departamento de Jornalismo da UFSC e Observatório da Ética Jornalística (objETHOS).

Entrada gratuita, com direito a certificados. Inscrições no local.

Quem é Bernardo Kucinski: graduado em Física, doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo, livre-docente pela mesma universidade e pós-doutor pela University of London. Como jornalista, atuou no serviço brasileiro da BBC de Londres, e, ainda na capital inglesa, foi correspondente da Gazeta Mercantil e dos jornais Bondinho e OPINIÃO. De volta ao Brasil, foi correspondente do The Guardian, e editor dos cadernos especiais da revista Exame, além de trabalhar na Veja e outros veículos. Entre 2003 e 2006 foi assessor Especial da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República. Aposentou-se como titular da USP e é professor visitante junto ao POSJOR da UFSC. É autor de vários livros, entre eles “A ditadura da dívida: a crise do endividamento da América Latina”, “Jornalismo Econômico”, “Jornalismo na era virtual: ensaios sobre o colapso da razão ética”. Em 2011, estreou na ficção com o romance “K”, finalista do Prêmio Jabuti.

prática docente em jornalismo: chamada de textos

A Revista Brasileira de Ensino de Jornalismo (Rebej) está recebendo artigos, resenhas, entrevistas e perfis para compor o vol. 02, nº. 10, de 2012.
A temática da edição será “A prática docente em jornalismo e os novos paradigmas do ensino-aprendizagem”. Ementa: Ensino de jornalismo. Metodologias.  Experiências didáticas. O estudante de jornalismo do século XXI.
O prazo de submissão se encerra no dia 30 de novembro de 2012.

As normas podem ser acessadas pelo site da revista, no endereço http://www.fnpj.org.br/rebej

(reproduzido da lista eletrônica do FNPJ)