quando se tropeça nas palavras

Talvez tenham sido os astecas, mas se não foram, ficam sendo ao menos neste post. Mas os astecas diziam que as palavras caminham. Sim, elas se movem e por caminhos que nem sempre controlamos. Digo isso porque uma porção delas vem me incomodando muito ultimamente. Mas o problema não está nas palavras, mas no uso que as pessoas fazem delas, tripudiando, distorcendo, desapropriando sentidos.

Veja o exemplo de “Colaborador”. Até outro dia, era o cara que dava uma ajuda, que prestava um serviço esporádico. Hoje, pra muita gente, não. Gerentes, diretores, gestores de recursos humanos sorriem dentro de seus colarinhos. Ciosos, dizem que suas empresas têm duzentas, seiscentos, trocentos “colaboradores”. Ora, “colaboradores” uma ova! Os caras são empregados, funcionários, trabalhadores. Salvo melhor juízo ninguém está ali apenas pra colaborar. Pra usar palavras antigas, eles vendem sua força de trabalho por dinheiro, por salários, mesmo que aviltantes, indecentes.

Um baita eufemismo esse o do “colaborador”. Será que os tais gerentes, gestores e diretores pensam que ofendem alguém ao chamá-lo de “funcionário”?

Outro eufemismo é o que me disse outro dia a moça do telemarketing: “Senhor, esta revista foi descontinuada“. Ahn? “Descontinuada, senhor”. Ah, tá, a revista acabou. “Não, senhor, foi descontinuada”. Quase esbofeteei pelo telefone a moça. Será que ela pensa que eu sou idiota? Se a revista não circula mais, se não está disponível, NÃO FOI DESCONTINUADA. Ela simplesmente foi interrompida, extinta, acabada, e  ponto. Tava com vergonha a moça do telemarketing?

Mas pior que essa atitude zelosa de evitar constrangimentos, atritos e melindres, pior é trazer o administrês, o economês para as conversas mais cotidianas e prosaicas. Então, você não melhora mais o relacionamento, você “agrega valor à relação”. Você não é um cara diferente, distinto, é “diferenciado”. É um saco isso! Vai desculpar, mas é dureza ouvir a mãe na escolinha dizendo que o seu pequerrucho tem uma alimentação “diferenciada” e que ela mesma prepara a lancheira, fazendo questão de dar mais “valor agregado” ao suquinho com bolachas…

Às vezes, me faltam as palavras, sabia?

Anúncios

Um Comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s