uma visita a espinosa

Você já marcou um encontro com alguém que sequer te conhece? E com quem sequer existe?

No último domingo, numa rápida passagem pelo Rio, desapareci no meio da floresta de concreto de Copacabana. Diante da praia mais famosa do mundo fileiras infinitas de prédios se espremem, deixando escapar ruas e avenidas como se fossem trilhas na relva. No final da manhã ensolarada, despenquei do quinto andar do Astoria Palace para visitar o Delegado Espinosa, o personagem mais conhecido em oito romances policiais de Luiz Alfredo García-Roza. Isso mesmo! Eu ia ao encontro de um detetive literário que mora no Bairro Peixoto, um amontoado urbano espremido entre os morros dos Cabritos e de São João.

Sem avisar Espinosa, segui pela avenida Atlântica como quem vai a Ipanema, mas só por algumas quadras. Diante do olhar misterioso de uma velhinha entrevada numa cadeira de rodas, dobrei a rua Figueiredo Magalhães, andando por quase meio quilômetro desviando de turistas deslumbrados, nativos enfadados e parte da fauna diurna de Copacabana. A noturna é tão interessante quanto, mas mais variada…

Na rua Tonelero, virei à esquerda e na Anita Garibaldi ao contrário. Havia muita gente pelas calçadas desperdiçando o domingo em conversa fiada, mas mesmo assim, me senti observado, vigiado. Apressei o passo, olhando furtivamente para trás para flagrar alguém me seguindo, mas nada! Não vi nada e a sensação de ser uma presa vulnerável não me abandonou até chegar à Praça Edmundo Bittencourt, logo em seguida: o reduto do Delegado Espinosa.

Como nas econômicas descrições dos romances, a praça é calma, encravada num aglomerado de prédios baixos de até três andares. Há brinquedos infantis, um chafariz, alguns bustos de figuras históricas, bancos, árvores, pombos, aposentados, crianças, babás, cuidadoras, namorados, cães desgarrados de seus donos e uma estátua de Nossa Senhora de Fátima, aprisionada numa caixa de vidro. O tempo segue mais devagar na praça, recorte de qualquer cidade do interior. Nem parece estar a um quilômetro e meio apenas do efervescente e glamouroso Copacabana Palace.

Espinosa mora num desses prediozinhos com sacada de metal, quase encostada à janela. Volta e meia, abre a porta, estica as pernas sobre a grade e mira a praça. Sob a sua vista, tudo em ordem. Dentro de si, sinapses intensas tentam solucionar crimes insolúveis.

Dei três voltas ao redor da praça, olhando menos para ela e mais para as paredes que a cercavam. Nenhum sinal de Espinosa nas sacadas. A cartomante húngara me lançou um olhar desconfiado, misto de praga e de desdém. Um pastor alemão latiu com a mesma animosidade. Não esperei mais nada para desaparecer dali. Fui direto à 12ª DP, na Hilário de Gouveia, mas rosnaram que Espinosa não estava de plantão. Como estava quase na hora do almoço, imagino que o delegado tenha ido almoçar no La Trattoria, na Fernando Mendes quase na dobra com a avenida Atlântica. Chego esbaforido, com a sensação de perseguição que não me larga. Pergunto por Espinosa, e um garçom pançudinho sorri: “Acabou de sair. Tá logo ali”, aponta para esquina. Corro e só consigo enxergar um homem alto de costas, entrando num táxi em câmera lenta. Grito seu nome, mas o veículo amarelo aproveita o sinal verde e vai embora.

Anúncios

  1. psm25ado

    Espinosa contou que acompanhou seu passeio – ninguem passa pela praça incolme, mormurou entre dentes e labios que pouco se movem. Constatou que sua pretenciosa busca visava desvenda-lo… esboçou sorriso como a satirizar sua tentativa… com dedo em riste madou o recado: diga a ele que retorne sempre que precisar… sim, precisar… quem sabe um dia atenderei sua curiosidade, mas desde que tenha senso e responsabilidade, afinal preciso manter minha reputação…

  2. Anita Dutra

    Delícia de leitura! Já fiz muita coisa parecida, ir aos lugares da histórias, das letras de música ou de um pedaço de vida dos ídolos, queridos, mestres, amados. E o Bairro Peixoto… bolha de ternura em meio ao fervo (mas “O” fervo!). O Rio tem coisa, tem. Volta sempre!

  3. Eduardo Castor

    Muito legal! Parabéns pelo texto, que realmente ficou semelhante ao de Garcia-Roza. Poderia ter colocado fotos da 12a DP e do restaurante. Parabéns!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s