a semana morta

Não, esse título é ambíguo. Parece que nada aconteceu nesses dias, que tudo estava parado. Mas parece também que a semana estava ligada à morte, ao fim. E é isso o que eu queria ter escrito, sei lá. Só sei que este post me escapa pelos poros, sem muito raciocinar, e a plenos pulmões. A plenos pulmões, com a espinha eriçada, já que um arrepio percore o corpo. Tudo porque assisto à semana passar e ela, coalhada de mortes. coalhada.

Na segunda, soube pelo Facebook que a mãe de 82 anos de uma amiga deixara de respirar. Minutos depois, numa lista eletrônica, sou informado de que é o pai de um amigo que também havia desembarcado do mundo. No final da noite, um telefonema revira a minha programação, e saio às pressas para o velório da mãe de outro querido amigo. Ela tinha 92 anos, e eu fiquei quase quatro horas ali, pensando na vida e na morte. Três amigos, três mortes de seus parentes.

Ontem, os telejornais nos chacoalharam com o fim da agonia de Hugo Chávez; e hoje, somos acordados pela mídia com a morte esquisita de Chorão. Que semana de acontecimentos tétricos! Que semana de saídas de cena!

É claro que a morte é inexorável, implacável e impiedosa. Basta estar vivo para morrer, diz a minha mãe. É uma certeza que a gente vai embora algum dia, mas sempre somos sacudidos por ela. Como se quiséssemos sepultar essa certeza; como se quiséssemos enterrar essa verdade. Que semana morta! E ela nem terminou… Quanto de ironia e ambiguidade há nisso tudo…

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s