É possível salvar o jornalismo sem o dinheiro do Google?

Se tem um tipo de notícia que faz os donos da mídia brilharem os olhinhos é o anúncio de que alguém vai abrir as torneiras do dinheiro. Ontem, foi mais um dia desses no 3º Google For Brasil, evento da poderosa Big Tech no Memorial da América Latina, em São Paulo.

Não, eu não estava lá, mas posso afirmar sem medo de errar que teve gente que saiu feliz da vida e a explicação é uma só: o Google vai despejar milhões de dólares em projetos de fact-checking, fortalecimento de padrões de qualidade, eventos, incubação de novos meios e até educação midiática, conforme conta o Portal Imprensa. Segundo o Marco Tulio Pires, que coordena o Google News Lab, já foram injetados R$ 36 milhões no mercado brasileiro desde 2018. Não é pouco, mas está longe de ser a salvação da lavoura.

Gente muito competente e organizações muito reconhecidas – como Projor, Abraji e ANJ – são beneficiadas com esses recursos, e os seus projetos são muito importantes para o jornalismo e a sociedade, de um modo geral. Não discuto isso, já que os resultados podem ser conferidos em iniciativas como o Comprova e o Credibilidade, por exemplo.

O buraco é mais embaixo. Será que a indústria jornalística pode ficar refém da vontade e do planejamento financeiro de gigantes da internet que ajudam a corroer o negócio das notícias? Não dá pra buscar saídas da crise sem depender dos milhões das grandes plataformas? O dinheiro não pode vir de outras fontes ou cofres? A benevolência das Big Techs não é uma maneira para conter efeitos colaterais da quebradeira que vêm provocando em tantas outras atividades econômicas?

Talvez a indústria jornalística nacional não veja Google e Facebook – que também investe no setor – como concorrentes, e talvez eles não sejam mesmo. São piores: são predadores. E seu apetite insaciável já abocanha mais da metade do bolo publicitário anual, conforme levantamentos em mercados como os Estados Unidos.

Facebook e Google não apenas aspiram para si parcelas enormes das verbas publicitárias que antes iam para os meios jornalísticos. Também drenam o tempo e a atenção dos usuários no planeta todo, desviando o interesse nas notícias, entre outros efeitos.

É errado, então, receber dinheiro do Google e Facebook para fortalecer o jornalismo? Não é errado. Mas depender deles para tirar a cabeça para fora da água é muito, muito temerário. A indústria jornalística precisa de soluções, das suas próprias soluções. Será necessário meter a mão no bolso e convencer a sociedade, os governos e outros atores econômicos a investir em jornalismo. Proteger o jornalismo é manter empregos e empresas, mas também é reforçar um importante tecido que dá sentidos para as pessoas e as sociedades.

2 comentários em “É possível salvar o jornalismo sem o dinheiro do Google?”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.