Três armadilhas a evitar quando pensamos sobre a crise do jornalismo

É tentador projetar cenários e apontar para soluções quando estamos estudando ambientes de crise. Tendo como objetivo fazer sínteses para explorar flancos e arrancar saídas, volta e meia cometemos erros de leitura e de julgamento. Por isso, é preciso evitar certas armadilhas.

No caso da crise do jornalismo, vejo como é fácil cair em três delas, pelo menos.

A primeira é fazer diagnósticos sem se apoiar em dados da situação. A indústria jornalística no Brasil é muito reticente em fazer pesquisas e disponibilizar essas informações. O resultado é um setor que funciona de forma errática, aos trancos e barrancos, à base da tentativa e erro. É um setor também que inova menos do que poderia, justamente porque teme o fracasso e não considera o risco como uma constante na equação daquela exploração econômica. Assim, como temos poucos números e nem sempre é possível gerar séries históricas que permitam comparações, recorremos a projeções nem sempre realistas.

Por isso, com alguma frequência, precisamos produzir relatórios, estudos e até mesmo dados. Fiz isso muito rapidamente no segundo capítulo de A Crise do Jornalismo Tem Solução?, que lancei este ano. Me debrucei sobre um material da Associação Nacional dos Editores de Revista (ANER) de anos passados e comparei com a realidade que encontramos nas bancas atualmente. Cheguei a uma taxa alarmante: 35 das 100 revistas mais lidas em 2014 já não circulavam mais quatro anos depois. Perceba: estou falando de publicações bem sucedidas de diversos nichos e públicos, e que simplesmente deixaram de existir em pouquíssimo tempo. Isso é uma medida, não a única, mas ela ilustra parte de como a crise se manifesta no mercado brasileiro…

A segunda armadilha fácil de se cair quando se pensa em crise no jornalismo é ignorar a escala dos acontecimentos e dos atores implicados. Quer dizer: a crise afeta cada um de um jeito, com uma duração e conforme uma proporção. A queda vertiginosa de vendas em banca pode acionar o alerta amarelo num jornal grande (e que tem boa base de assinantes no modo digital), mas pode ser fatal para uma empresa média, muito dependente desse modelo. Da mesma forma, o muro de pagamento pode funcionar em alguns casos e em outros, não, conforme comento também no livro. É preciso considerar o contexto e ponderar como cada fator pode se comportar num contexto de crise. E ficar com olhos atentos porque o peso e a influência desses fatores pode se modificar em meio à observação.

A terceira armadilha é permitir que nossos desejos contaminem nossas leituras da crise. Porque amamos o jornalismo e porque não queremos que ele desapareça, nos apressamos a dizer que ele nunca morrerá, que as mutações pelas quais passa são superficiais, e que não estamos vivendo um furacão, mas só uma ventania. Cuidado! Desejar que algo não aconteça não necessariamente impede que aquilo realmente ocorra. É preciso mais para evitar a realidade: interferir nela. Seja propondo soluções, apontando para erros evitáveis ou implantando saídas na prática, por exemplo.

Não nos enganemos: a crise que afeta o jornalismo é inédita na sua complexidade, duração e alcance. É também nova porque afeta aspectos que são estruturais e não só conjunturais.

Não é fácil nem cômodo estudar o terremoto com ele acontecendo. Você tenta anotar na prancheta, mas ela cai e a caneta também. Logo, é a gente quem está no chão vendo tudo ser remexido e nossa visão se nublando…

Direito à comunicação no Brasil: um relatório

O Intervozes lançou mais uma edição de seu relatório Direito à Comunicação no Brasil. A publicação, referente a 2018, aborda temas como fake news, violações ao direito de protestar, concentração de mídia e políticas de acesso à internet, entre outros. Em PDF, 80 páginas.

Baixe aqui.

É possível salvar o jornalismo sem o dinheiro do Google?

Se tem um tipo de notícia que faz os donos da mídia brilharem os olhinhos é o anúncio de que alguém vai abrir as torneiras do dinheiro. Ontem, foi mais um dia desses no 3º Google For Brasil, evento da poderosa Big Tech no Memorial da América Latina, em São Paulo.

Não, eu não estava lá, mas posso afirmar sem medo de errar que teve gente que saiu feliz da vida e a explicação é uma só: o Google vai despejar milhões de dólares em projetos de fact-checking, fortalecimento de padrões de qualidade, eventos, incubação de novos meios e até educação midiática, conforme conta o Portal Imprensa. Segundo o Marco Tulio Pires, que coordena o Google News Lab, já foram injetados R$ 36 milhões no mercado brasileiro desde 2018. Não é pouco, mas está longe de ser a salvação da lavoura.

Gente muito competente e organizações muito reconhecidas – como Projor, Abraji e ANJ – são beneficiadas com esses recursos, e os seus projetos são muito importantes para o jornalismo e a sociedade, de um modo geral. Não discuto isso, já que os resultados podem ser conferidos em iniciativas como o Comprova e o Credibilidade, por exemplo.

O buraco é mais embaixo. Será que a indústria jornalística pode ficar refém da vontade e do planejamento financeiro de gigantes da internet que ajudam a corroer o negócio das notícias? Não dá pra buscar saídas da crise sem depender dos milhões das grandes plataformas? O dinheiro não pode vir de outras fontes ou cofres? A benevolência das Big Techs não é uma maneira para conter efeitos colaterais da quebradeira que vêm provocando em tantas outras atividades econômicas?

Talvez a indústria jornalística nacional não veja Google e Facebook – que também investe no setor – como concorrentes, e talvez eles não sejam mesmo. São piores: são predadores. E seu apetite insaciável já abocanha mais da metade do bolo publicitário anual, conforme levantamentos em mercados como os Estados Unidos.

Facebook e Google não apenas aspiram para si parcelas enormes das verbas publicitárias que antes iam para os meios jornalísticos. Também drenam o tempo e a atenção dos usuários no planeta todo, desviando o interesse nas notícias, entre outros efeitos.

É errado, então, receber dinheiro do Google e Facebook para fortalecer o jornalismo? Não é errado. Mas depender deles para tirar a cabeça para fora da água é muito, muito temerário. A indústria jornalística precisa de soluções, das suas próprias soluções. Será necessário meter a mão no bolso e convencer a sociedade, os governos e outros atores econômicos a investir em jornalismo. Proteger o jornalismo é manter empregos e empresas, mas também é reforçar um importante tecido que dá sentidos para as pessoas e as sociedades.

Regulação econômica da mídia na Câmara

Será que agora vai?

(Reproduzido do FNDC)

Duas propostas importantes para a democratização da comunicação no Brasil serão discutidas em audiência pública na Câmara dos Deputados na próxima semana (7/5): os projetos de lei (PL) 4026/2004, de autoria do ex-deputado Cláudio Magrão (PPS-SP), e 6667/2009, proposto pelo deputado Ivan Valente (Psol-SP). Ambos regulamentam a Constituição Federal (Art. 220), impondo limites à propriedade dos meios de comunicação e à audiência para combater o monopólio no setor, e tramitam apensados.
A audiência foi requerida pela deputada Luiza Erundina em março e será realizada às 9h30 da próxima quinta-feira (7/5), no plenário 13 do anexo II da Câmara. O ministro Ricardo Berzoini, das Comunicações, é um dos convidados, junto com Ana Carolina Lopes de Carvalho, assessora da presidência do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), Murilo Cesar Ramos, professor da Universidade de Brasília (UnB) e Rosane Bertotti, Coordenadora-geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC).
O PL 4026/2004 altera o Decreto-Lei 236/67 e limita em no máximo 50% a audiência de uma mesma rede de televisão (em qualquer horário). Esse limite já é realidade em países como os Estados Unidos, onde uma única empresa de comunicação não pode ter mais que 39% da audiência da população em território nacional. A proposta também estabelece limites à propriedade de emissoras por empresas de rádio.
Na justificativa do projeto, o autor observa que o Decreto-Lei 236 tem quase meio século e refletia uma realidade em que as emissoras operavam isoladamente ou formavam pequenas redes, o que não acontece hoje. A ideia é “pensar em alguma forma de administrar essa situação, delimitando o poder de mercado dessas empresas”.
O PL também estabelece suspensão das outorgas de retransmissoras e repetidoras que excederem o índice de audiência estipulado, o que que caracteriza domínio de mercado relevante, nos termos do Art. 20, inciso II, da Lei 8.884/94 (lei do Cade – Conselho Administrativo de Defesa Econômica). O PL foi desarquivado pela Mesa Diretora da Câmara dos Deputados em fevereiro deste ano.
A proposta do deputado Ivan Valente (PL 6667/2009) responde à demanda da I Conferência Nacional de Comunicação (Confecom) por políticas públicas capazes de coibir o monopólio e o oligopólio no setor de radiodifusão. O projeto tipifica a concentração horizontal e vertical nos meios de comunicação, proíbe que empresas do setor tenham acionistas ou cotistas integrantes de empresas de jornais, revistas e outros periódicos impressos, de empresas de televisão por assinatura ou de telecomunicações, além de estabelecer limites para a propriedade de emissoras de rádio e TV.
Bia Barbosa, coordenadora de Comunicação do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) comemora a realização da audiência. Para ela, a iniciativa demonstra que a despeito do desinteresse dos empresários do setor em discutir a concentração, “por interesses óbvios”, e da lentidão do governo em fazer a discussão avançar, as entidades sociais organizadas em prol da democratização da comunicação não param de cobrar que o poder público abra um espaço para fazer esse diálogo com a sociedade. “Nossa constituição proíbe o monopólio, mas até hoje não foi colocada em prática, por isso temos que debater esse tema sem melindres”, defente.
Conheça as propostas
Autor: ex-deputado Cláudio Magrão (PPS-SP)
Dispõe sobre os limites à concentração econômica nos meios de comunicação social, e dá outras providências.
Autor: Ivan Valente (PSOL-SP)
Estabelece limites para a propriedade de empresas de comunicação social, proíbe a propriedade cruzada nos meios de comunicação, e dá outras providências.

Como veremos as notícias em 2020?

6a00e552985c0d883301bb07e755bc970d-500wiA BBC se arrisca em responder. Em “Future of News”, o conglomerado britânico apresenta uma visão de como as notícias vão se apresentar, como a tecnologia, as empresas e os profissionais funcionarão.

Programas de TV mais participativos, audiências mais ativas, publicidade como mecenato, Big Data nas redações e doses cavalares de jornalismo local estão entre as apostas da BBC.

Ficou curioso? Então, espie o futuro aqui.

Uma agenda para o ministério das comunicações

O coletivo Intervozes, um dos mais atuantes no tema da democratização da mídia no país, esteve junto com o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) em audiência com o novo ministro da área, Ricardo Berzoini. As entidades têm se queixado publicamente da lentidão e a quase falta de ações do governo Dilma Rousseff na área.

Para “incentivar” o ministro a “fazer diferente”, o Intervozes listou o que chama de uma agenda de curto prazo para a pasta:

1. Proibição de outorgas para deputados e senadores

2. Combate aos arrendamentos/subconcessões

3. Enfrentamento ao livre mercado de compra e venda de outorgas de rádio e TV

4. Garantia do respeito aos limites à concentração de propriedade já existentes

5. Responsabilização das emissoras por violações de direitos humanos na programação

6. Fim da criminalização às rádios comunitárias

7. Universalização do acesso à banda larga

(para saber mais, vá por aqui)

FNDC cobra de Dilma a regulação da mídia

(reproduzindo…)

NOTA PÚBLICA DO FNDC:
Regulação da mídia é caminho para consolidar democracia brasileira
A campanha eleitoral colocou o debate sobre a regulação dos meios de comunicação de massa no centro da agenda política do país. Diante do comportamento de parcela da grande mídia e da ausência de um debate plural e efetivamente democrático nos diferentes espaços de formação da opinião pública, a necessidade de um novo marco regulatório para o setor – defendida há mais de dez anos por movimentos sociais e organizações da sociedade civil – mostrou-se uma vez mais urgente.
Neste contexto, o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), que há 23 anos reúne centenas de entidades em torno da luta pela ampliação do exercício da liberdade de expressão em nosso país, saúda as declarações da Presidenta Dilma Rousseff de que uma das prioridades de seu próximo mandato será a regulação econômica da mídia. Trata-se de uma medida estratégica para a consolidação da democracia brasileira.
Ao contrário de países democráticos como Estados Unidos, França, Reino Unido, Alemanha, Canadá, Espanha e Argentina, o Brasil pode ser caracterizado hoje por uma brutal concentração dos meios de comunicação, tanto na radiodifusão quanto nos veículos impressos. A internet tem cumprido importante papel no sentido de multiplicar as vozes em circulação na esfera midiática, mas neste espaço também atuam os grandes conglomerados de mídia, reforçando a concentração econômica do setor.
Ao mesmo tempo, carecemos de mecanismos transparentes e democráticos para a concessão de outorgas de radiodifusão e não há no país uma política que garanta a complementaridade entre os sistemas público, privado e estatal de comunicação, como previsto na Constituição Federal. A ausência de um campo público de comunicação robusto aumenta o poder de mercado do setor privado/comercial, enquanto canais comunitários seguem à margem do sistema midiático.
Dispositivos de fomento à produção nacional, regional e independente estão restritos hoje ao Serviço de Acesso Condicionado (TV por assinatura), a partir da Lei 12.485/2011. Na TV aberta, prevalece a concentração da produção no eixo Rio/São Paulo, a maior parte dos canais já tem mais produção estrangeira que nacional, crescem os casos de sublocação das grades de programação e de transferência de concessões de forma irregular e sem qualquer debate público. A ausência de mecanismos para o direito de resposta nos meios de comunicação também cria um ambiente de violação dos direitos humanos e de restrição à liberdade de expressão de indivíduos e grupos sociais.
Neste cenário, torna-se imperativa a atualização do marco legal das comunicações, no sentido de colocar em prática os princípios constitucionais e de estabelecer regras para a configuração e funcionamento do setor, como já acontece nas mais diferentes áreas. Este novo marco regulatório deve responder às mudanças tecnológicas das últimas décadas e às demandas de uma sociedade mais complexa, que clama pela garantia de seu direito à comunicação. E deve ser resultado de um amplo e plural debate com a população brasileira, há tanto tempo interditado por setores que, em nome da manutenção de seus interesses e privilégios, vem se colocando sistematicamente contra a democratização da comunicação no Brasil.
O compromisso assumido pela Presidenta Dilma durante a campanha eleitoral vai, portanto, ao encontro de uma reivindicação histórica da sociedade civil, sistematizada, desde 2013, no Projeto de Lei de Iniciativa Popular da Mídia Democrática, que já recebeu o apoio de milhares de cidadãos e cidadãs em todo o país.
Enfrentar as disputas em torno de mudanças estruturais no setor não será, no entanto, tarefa simples. Assim como na pauta da Reforma Política, o desafio exigirá, além da mobilização popular e da decisão política da Presidenta, a liderança de um Ministério das Comunicações guiado pelo interesse público e aberto à participação da sociedade na elaboração e acompanhamento das políticas públicas de comunicação. E, não menos importante, dependerá do envolvimento de parlamentares comprometidos com esta luta e com a construção de uma sociedade mais diversa e democrática.
O FNDC reafirma seu engajamento e de seus comitês e entidades no avanço deste debate público, esperando que a conclusão deste processo seja um marco regulatório democrático e representativo da diversidade de ideias e visões que compõem o povo brasileiro. Também seguiremos vigilantes para cobrar da Presidenta reeleita os compromissos assumidos no âmbito da regulamentação do Marco Civil da Internet e da universalização do acesso à banda larga no país, ambos também fundamentais para a garantia da liberdade de expressão de todas e todos os brasileiros.
O momento exige força e muita energia. O FNDC e suas organizações filiadas prometem intensificar a luta e a mobilização popular no próximo período!
Democracia da mídia JÁ!
Brasília, 7 de novembro de 2014.
Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação – FNDC

jornalismo e mercado de trabalho: uma revista

Parágrafo, o periódico científico da FIAM-FAAM, acaba de chegar à rede com mais uma edição, esta dedicada ao jornalismo e ao mercado de trabalho. Mark Deuze, Roseli Figaro, Helder Bastos, Fábio Pereira, Sylvia Moretzsohn, Stephen Quinn, Fernanda Lima Lopes oferecem seus artigos. Acesse aqui.