dilemas éticos na cobertura da guerra no rio

Todas as cabeças se voltaram para o cerco ao crime organizado no Rio de Janeiro. Muito rapidamente, discuto alguns dos dilemas éticos que a cobertura jornalística está apresentando nesses primeiros dias de noticiário:

Os poucos dias de cobertura têm-se revelado nada fáceis para os jornalistas destacados para acompanhar as ofensivas. Por mais preparado que esteja o profissional, subir ladeiras, esgueirando-se de tiros, vestindo pesados coletas à prova de bala, fazendo passagens ao vivo sem ofegar muito são tarefas que exigem condicionamento físico, equilíbrio emocional, raciocínio rápido e frieza. Não é demais lembrar que, no front, o jornalista é o único que não está armado, que não pode trocar tiros. É um alvo relativamente fácil e a identificação de seu colete pode funcionar mais como ponto de referência, chamariz, do que como alerta, salvo-conduto.

Nas redações, o nervosismo também prejudica a tomada de certas decisões: há muito jogo, inclusive a vida dos colegas nas ruas. A pressa de divulgar amplia muito a margem dos erros e contribui perigosamente para as estatísticas desabonadoras do jornalismo. Como qualquer guerra, a Rio reserva uma série de dilemas éticos para os jornalistas.

Quer ler na íntegra? Vá ao Observatório da Ética Jornalística, objETHOS!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s