o som das ruas em floripa

Galera, galera, vamo juntá mais! Isso, isso. Começa! Começa! Começa! Tá chovendo, vem pra debaixo da sombrinha. Começa! Começa! Começa! Pra onde que o movimento vai? Vai pra Assembleia! Vai não! Vai pra ponte! Vamo fechá as ponte! ÉEEEEEEEEEEE!!! Junta, pessoal! Assim, fica mais quentinho! O povo unido, jamais será vencido! O povo unido, jamais será vencido! Vamos tomar a ponte! Pra ponte, gente, pra ponte! Eba, eu moro no continente! Um, dois, três! Quatro, cinco, mil! Ou para a roubalheira ou paramos o Brasil! Segue, gente! Vamos fechar a ponte! Xi, o vento quebrou o guarda-chuva! Vai assim mesmo! É o banho da democracia! Ô, o gigante acordou! O gigante acordoô! Olha a capa, olha a capa! Tem guarda-chuva também!!! Meu, quem tá fumando? Maior marofa! Ei, RBS! Vai tomá no cu, filha-da-puta! Sem partido! Sem partido! Sem partido! Que maluco é aquele com a bandeira da UJS? Ei, Fifa! Paga minha tarifa! Ei, Fifa! Paga minha tarifa! Ouviram do Ipiranga à margens plácidas… Brasil, vamo acordar! Um professor vale mais do que o Neymar! Sem partido! Sem partido! Sem partido! Quem não pula, quer tarifa! Quem não pula, quer tarifa! Quem não pula, quer tarifa! Quem não pula, quer tarifa! Ei, mas que vegonha! Essa tarifa tá mais cara que a maconha! Meu, não aguento mais comer lentilha! Quero é feijão! Oi, pode tirar uma foto da nossa galera aqui? Isso! Galera, junta mais pra sair a Hercílio Luz atrás!!! AÊEEEEEEEEE!!! O povo unido, jamais será vencido! O povo unido, jamais será vencido! Fechamos as duas! Fechamos as duas!!! Que helicóptero é aquele paradão? Da RBS! Ah, então, aquele do canhão de luz é de quem? Dos milico! O gigante acordou! Anda, galera, que o gigante tá com fome! Caminhando e cantando, seguindo a canção… Sentiu a ponte balançar??? Senti, mas achei que era a minha labirintite… Oça, oça, oça! Vamo tudo pra Palhoça! Sem partido! Sem partido! Sem partido! Quem não pula, quer tarifa! Quem não pula, quer tarifa! Depois da ponte, vamo pra onde? Ah, o movimento, eu não sei, eu quero é comer um xis… Meu, as ponte tão lotada! Tira uma foto pro Face! Olha só, disseram que tá tendo protesto em Brasília e no Rio tem mais de 200 mil pessoas!!! EEEEEEEEEE!!!! Um, dois, três! Quatro, cinco, mil! Ou para a roubalheira, ou paramos o Brasil! Galera, fecharam a ponte ali, não dá pra passar! Agora, tem que voltar! Volta! Passinho pra frente, faz favor! Passinho… Vamos voltar!!! Brasil, vamos acordar! O professor vale mais que o Neymar! Vem pra rua! Vem pra rua! Vem pra rua! Oi, mãe, tá tudo bem aqui! Encontrei com um monte de gente do colégio! Mãe, sai da frente da novela e vem pra rua! Pô! A passeata tá melhor que o CarnaFacul! É, tem mais muié! Adoro as indignadas! Galera, travô, travô! Teve um cara que caiu ali na frente! Quem? Caiu da ponte na grama! Já tem gente atendendo? Tem sim… Credo! Ó, sai do parapeito aí! Sai, velho! Vamo pessoal! O povo unido, jamais será vencido! Vem pra rua! Vem pra rua! Vem pra rua! Travô de novo. Tá devagar sair da ponte! Tem muita polícia ali na frente? Nada, tão só olhando!!! Vamo, galera! Anda! Quem não anda, quer tarifa! Quem não anda, quer tarifa! Quem não anda, quer tarifa!

Anúncios

com criança pode?

Só hoje assisti ao vídeo em que José Genoino “fala” ao CQC, transmitido na segunda passada, 25. E confesso: pensei três, quatro vezes se escreveria sobre isso. Na verdade, me fez mal o que vi. Fiquei incomodado. Não com o cerco que os personagens do programa fazem aos políticos em Brasília, nem com a pegação de pé habitual com Genoino. Duas coisas me chamaram a atenção no vídeo: a gana do CQC Mauricio Meireles para humilhar o deputado e a cilada que armou para que Genoino respondesse ao programa.

Eu poderia descrever, mas é melhor ver com os próprios olhos:

Viu? Pois é, não vou discutir se Genoino é corrupto ou não. Fato é que ele foi condenado pelo STF pelo escândalo do Mensalão. Outro fato que também não pode ser ignorado é a sua biografia na vida política nacional. Mas, como disse, não vou entrar nessa polêmica. Só vou me prender aos dois aspectos que me causaram mal estar ao ver o vídeo. E para isso vou lançar perguntas ao léu, que você – leitor – pode se atrever a responder ou não…

– é correto ensaiar uma criança para repetir perguntas capciosas para alguém?

– é certo que o seu pai filme uma conversa em ambiente privado – um gabinete – para tentar “flagrar” algum deslize do político?

– a criança em questão sabia o que estava fazendo? se não sabia, de quem é a responsabilidade por aquilo?

– o homem que a acompanhava era mesmo seu pai?

– durante meses, o CQC tentou arrancar declarações de Genoíno e sempre em ambientes públicos. É legítimo que se valha de uma troca de palavras em ambiente privado para fazer tanto alarde?

– o CQC precisava usar uma criança para ter esse efeito?

– a frase de Genoíno – de que o PSDB tinha “lábia” e por isso não saía o julgamento do Mensalão tucano – era alguma confissão de culpa ou algo que o incriminasse?

– o CQC é um programa jornalístico ou humorístico?

– se o CQC for um programa jornalístico, quem é o diretor responsável que deveria responder por eventual uso indevido de um menor no vídeo?

– se for um programa jornalístico, o CQC se baseia em que princípios jornalísticos? E quais princípios éticos?

– se for um programa humorístico, o CQC deve ter limites? Quais?

– pode-se discutir limites de programas humorísticos sem despencarmos para a velha discussão sobre censura?

– programas humorísticos transmitidos pela TV aberta também se enquadram no que dizem a Constituição Federal, a legislação sobre radiodifusão pública e o Estatuto da Criança e do Adolescente?

– a declaração de Genoíno traz algo de novo (jornalisticamente falando) ao caso do Mensalão ou a qualquer outro?

– pegadinha é um recurso jornalístico?

– pegação no pé é uma técnica jornalística?

– usar uma criança para armar uma arapuca com alguém (quem quer que seja!) é engraçado?

– onde está a graça em humilhar e ofender as pessoas, mesmo as condenadas na justiça?

– até onde pode-se ir na tv brasileira?

Sim, isso tudo me embrulhou o estômago…

é da lata!

Se você tem mais de trinta vai se lembrar do “verão da lata”, né? Até saiu livro outro dia, contando o caso de milhares de latas de maconha prensada que “invadiram” o Rio de Janeiro, trazendo preocupação às autoridades e alegria para outras camadas sociais…

Pois não é que o imaginário popular ainda tem sérias desconfianças com latas? Ontem, retornando de viagem, fui abordado de forma muito simpática pela segurança do aeroporto de Congonhas. A moça – que mais parecia o Maguila por sua docilidade e porte atlético – rosnou logo que minha mochila passou pelo raio-X: “De quem é essa aqui?” Ergui o dedinho e murmurei: “É minha, moça!” Com as mãozinhas na cintura, ela rugiu: “É que tem uma lata aí dentro”. “É, tem”. “Que é que tem dentro da lata?!”, berrou, abalando uma pilastra do terminal. Um segundo é muito tempo e pensei em três respostas para a agente de segurança: 1) “Tem 800 gramas de cocaína, bruaca!”; 2) “É Nescau, dona, sou traficante de Nescau!”; 3) “Vaselina, doçura. A lata está cheia de vaselina e você sabe pra quê…”. Mas sou um cara educado e soltei um cândido: “Doce de leite, moça! Tô vindo de Minas”.

doce_pequeno_medalhaAntes de me encostar contra a parede e dar uma geral, a segurança disse de forma amável: “Vai ter que abrir!” Sorri amarelo, abri a mochila, e exibi com um misto de vergonha – tinha uma fila atrás de mim – e orgulho a lata. Era um exemplar do mundialmente famoso Doce de Leite de Viçosa, premiado no mercado, adorado por multidões, quase canonizado pela diocese local. Um segundo é muito tempo e me imaginei levantando a lata como Cafu fez em 2002, chuva de papel picado, flashs, We are the champion, urros de alegria… mas voltei à realidade.

Com os caninos à mostra, a segurança pareceu ter se convencido. Mas hesitou. Um segundo é tempo demais, e temi que ela fosse confiscar minha desejada lata e eu voltaria para casa apenas com o queijo meia-cura que comprara em Mariana. Mas voltei à realidade, guardei a lata e segui pelo saguão driblando a segurança, meia dúzia de turistas polacos, um cara de turbante e um anão de barbicha loira. Só saí do meu transe quando uma senhora disse de lado: “Preconceito ca lata, né mes?!”, disse em bom mineirês. Sorri amarelo, me dei conta do ocorrido e deixei escapar um pensamento político: Os mineiros deveriam se insurgir com coisas do tipo. Viu o que os cariocas fizeram com os royalties do petróleo?

e o amor, hein?

Outro dia, em Congonhas, na banca de revistas, passo por um rapaz com uma mochila nas costas. Percebo o zíper aberto, e reconheço o sujeito: “Criolo, sua bolsa está aberta!”. Ele se volta sorridente: “Obrigado, meu querido!”.

Eu o chamei de “Criolo”, e ele de “meu querido”. Contei o episódio à minha esposa, e ela se escandalizou com a minha forma de tratamento. Expliquei quem ele era, e tudo terminou bem. “Ele te conhecia?”, ela perguntou. Eu sorri balançando a cabeça. “Ele só foi gentil”. Alguém já falou que gentileza é um outro nome para o amor. Um tipo dele. Aliás, é o próprio Criolo quem já fez um belo apelo para mais amor… Vale!